Pular para o conteúdo principal

Ouro na Rio 2016 e campeã da São Silvestre, Jemima se declara ao Brasil


Resultado de imagem para Jemima Sumgong











Jemima Sumgong fez duas visitas ao Brasil, ambas em 2016. Na primeira, em agosto, a queniana conquistou o histórico ouro olímpico na maratona da Olimpíada do Rio. E, na segunda, neste sábado, no último dia do ano, a atleta de 31 anos venceu com sobras, e direito a recorde, a tradicional São Silvestre, em São Paulo. Tem como ela não amar o país?
- O Brasil significa muito para mim, o país estará sempre no meu coração. Toda vez que pisei aqui, eu fiquei muito feliz. É a minha segunda vez no país e ganhei o meu segundo ouro. Primeiro, o título olímpico fantástico no Rio. A torcida é fantástica, sempre me apoiou durante as corridas e deu carinho - disse Jemima, que recebeu uma premiação de R$ 90 mil pelo título da corrida que há 92 anos fecha o calendário esportivo brasileiro.Especialista em maratonas (42,1km), Jemima se surpreendeu com o seu desempenho na São Silvestre. 

Ao longo desta semana, ela vinha dizendo que não era muito rápida e que seu forte era a resistência. Mas nenhuma mulher na história percorreu os 15km da disputa na ruas da capital paulista em menos tempo do que Sumgong. Com o tempo de 48m34, ela deixou para trás o recorde antigo de 48m48, que era da também queniana Priscah Jeptoo, em 2011. - Eu não sabia que iria quebrar o recorde, só fiquei sabendo depois de fechar a corrida. Eu não sou muito rápida, meu forte é prova de resistência, mas consegui ser veloz, mesmo com o forte calor. Fiquei muito feliz de bater o recorde, todo atleta gosta disso. 

 A próxima meta de Jemima é conquistar o título mundial da maratona no Mundial de Londres, em agosto do ano que vem. Não bastasse o fato de entrar como grande favorita por ser a atual campeã olímpica, a queniana conhece muito bem o percurso na capital inglesa – ela venceu neste ano a forte Maratona de Londres, em abril. 

Em uma dobradinha do Quênia, o pódio da prova feminina da São Silvestre foi completado por Flomena Cheyech, em segundo lugar, com 49m14, Eunice Chumba, do Bahrein, em terceiro, com 50m24, a etíope tricampeã Ymer Ayalew, em quarto, com 51m40, e Ester Kakuri (QUE), em quinto, com 51m45. Tatiele Carvalho foi a melhor brasileira, em sétimo lugar.
Resultado de imagem para globoesporte.com

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.