quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

03/01 - Próximo da estreia, Paranaense ainda não tem transmissão de tevê garantida

Resultado de imagem para tv fora do ar

De acordo com publicação do Jornal Gazeta do Povo de 03/01/2017 a menos de um mês de a bola rolar no Campeonato Paranaense 2017, ainda não há acordo para que a disputa seja transmitida pela televisão. No início de novembro, os clubes rejeitaram proposta de R$ 6 milhões da Rede Globo para tevê aberta (sem pay per view), feita ainda em setembro. Desde então a negociação – que é intermediada pela Federação Paranaense de Futebol (FPF) – não apresentou evolução. “Estamos trabalhando para buscar uma solução”, reitera o diretor responsável pelas aquisições de direitos esportivos da Globosat, Fernando Manuel Pinto.Tenho notado um esforço do Hélio [Cury, presidente da FPF], mas a falta de união entre os clubes e a Federação tem atrapalhado. 

A negociação é coletiva, mas sem que haja coletividade o processo fica mais complicado, seja para negar ou aceitar a proposta”, acrescenta o diretor. De acordo com Pinto, o assunto só deve ganhar novidades na próxima semana. A Globo ainda analisa a contraproposta dos clubes, que pleiteiam cerca de R$ 12 milhões pelo campeonato. A edição de 2016 foi negociada por aproximadamente R$ 9 milhões (já incluindo o pacote pay-per-view). À Rádio Paiquerê, de Londrina, 

Cury afirmou em dezembro que a culpa de o acordo ainda não ter sido fechado é do Atlético. “Ainda acredito no bom senso e que tudo terminará bem”, disse o dirigente.Arif Osman, presidente do Foz do Iguaçu, confirmou que a informação tem sido repassada pela FPF.

 “O Hélio está entrando em contato com os clubes do interior e passou que a dificuldade está com o Atlético Paranaense. E a transmissora não quer fazer se o Atlético não aceitar”, ressaltou. 

Procurado pela reportagem, o presidente do Furacão, Luiz Sallim Emed,rebateu o argumento usado por Cury. Para o dirigente atleticano, o valor oferecido (cerca R$ 2 milhões) não é atraente e por isso o clube tem o direito de não aceitar. 

 “Nesse patamar não temos interesse. A Globo pode não achar interessante comprar o campeonato desta forma, sei que isso teria impacto em outros clubes, mas o seu Hélio Cury não tem de ficar transferindo a questão para a conta do Atlético”, frisou. “Atlético e Coritiba têm tomados decisões em conjunto e pelo que sei eles também concordavam. Hoje é 3 de janeiro e não sei se eles mudaram de ideia. 

Para nós continua não sendo interessante”, completou Sallim, sugerindo que o Coxa também não tenha concordado com a oferta. Os próprios representantes do interior (excluindo Londrina e incluindo J. Malucelli) também não bateram o martelo sobre o valor proposto e prometeram brigar em bloco para receber R$ 600 mil cada, o dobro do valor anterior. 

 “A situação é preocupante hoje. Estamos todos trabalhando sem saber o que você pode contratar, como pode gastar. Estamos montando um time bem modesto para não ter problemas depois”, ressalta Osman. Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades.
Fernando Rudnick [03/01/2017] [15h38]

Postagem em destaque

Cianorte FC é exemplo de gestão esportiva

Uma certa vez , o empresário do ramo da confecção Marco Antonio Franzato se dispôs à encampar o desafio de assumir a direção da equipe do ...