Pular para o conteúdo principal

Wilma Rudolph, a 'Gazela Negra'

Resultado de imagem para Wilma Rudolph, a 'Gazela Negra'
Volta em meia cá estou publicando um artigo sobre a ex atleta americana que superou uma doença e sagrou se medalhista olímpica; Wilma Rudolph nasceu no Tennessee, sendo vigésima de vinte e dois filhos e contraiu poliomielite, doença que causa paralisia e deformações no corpo, logo na primeira infância.Sua perna esquerda paralisou e o seu pé esquerdo ficou torto. Sua mãe a levava a um hospital para negros a 80 km de casa duas vezes por semana e massageava suas pernas quatro vezes por dia. 
Resultado de imagem para Wilma Rudolph, a 'Gazela Negra'
Com os constantes cuidados maternos, aos 12 anos ela conseguiu começar a andar normalmente. Para apressar a sua recuperação, Wilma passou a praticar esportes. No começo de sua vida esportiva, ela era jogadora de basquete e a estrela da equipe de seu colégio, que liderou na conquista do campeonato estadual infantil intercolegial do Tennessee, até ser descoberta por um técnico de atletismo que acreditava em seu potencial como corredora e decidiu então se dedicar às pistas de corrida. 

No princípio, Wilma perdeu quase todas as provas de que participou. Sempre a última colocada nas competições iniciais, ela aos poucos foi progredindo para as posições intermediárias e aos quinze anos vencia todas as corridas de velocidade que disputava. Aos dezesseis anos, ela se qualificou para correr o revezamento 4x100 nas olimpíadas de Helsinque, em 1956. Após estes Jogos, ela voltou ao Tennessee para concluir os estudos secundários e recebeu uma bolsa de estudos integral da universidade estadual, onde viria a se formar como bacharel em Educação em 1963. Seu grande momento foi nas olimpíadas de 1960, em Roma. 

Com apenas 20 anos, e apenas 8 anos depois de vencer a Poliomielite, Wilma venceu as provas dos 100m, 200m, e o revezamento 4x100m. Ela foi a primeira mulher americana a ganhar 3 medalhas de ouro. 

Seu técnico na época, Ed Temple, ficava admirado ao vê-la dormindo antes da fina olímpica dos 100m rasos." Ela tinha uma rara capacidade de se abstrair,de permanecer calma e indiferente mesmo nos momentos de maior tensão." Os italianos a chamaram de 'Gazela Negra', os franceses, de 'Pérola Negra", e os americanos a chamaram de 'O tornado'. Wilma tinha feito dos jogos de Roma a sua Olimpíada. Sua história de vida e a luta contra a poliomielite virou a manchete principal de todos os jornais do mundo, trazendo a atenção da sociedade e dos governos para a doença e aos esforços para sua erradicação nos Estados Unidos e no mundo. Wilma voltou aos Estados unidos como celebridade, sendo chamada de 'Jesse Owens de saias'. 

Ela tinha sido colocada no panteão dos grandes heróis americanos da história, em 1961, ela foi eleita a melhor atleta amadora americana do ano. em 1962, encerrou a carreira Wilma nos anos 60 se tornou uma das grandes defensora dos direito civis dos negros,se tornou professora e comentarista esportiva nos anos 70. Wilma morreu em 1994, de câncer no cérebro, aos 54 anos. A universidade do Tennessee nomeou um prédio com nome dela, e o governador,criou uma lei para que o dia 23 de junho, fosse o dia de Wilma Rudolph.

por surto olímpico

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Brasileirão Série A - Confira os jogos em andamento

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.