Pular para o conteúdo principal

F1 : Nico Rosberg: a vitória do trabalho


A vitória do trabalho duro. É como defino a inédita conquista de Nico Rosberg em 2016. Após 11 temporadas de muita luta, aos 31 anos, finalmente o esforço do alemão foi recompensado. O título mundial, coroado neste domingo, no GP de Abu Dhabi, não foi uma mera obra do acaso, como algumas pessoas defendem. Depois de dois anos sendo dominado por Lewis Hamilton na imbatível Mercedes, o alemão trabalhou duro. 

Analisou as fraquezas do companheiro mais talentoso e investiu pesado para aproveitá-las. Aproveitou todos os momentos de falta de concentração do inglês para maximizar sua vantagem. As vitórias no início da temporada - quatro seguidas - e depois das férias de meio do ano - quatro em cinco provas - foram a maior prova disso. Rosberg se tornou o 33º campeão da F1. 

Conquista merecidíssima. Aplicação. 

Uma das maiores virtudes de Nico neste ano. Afinal, iria para o terceiro ano com o melhor carro da Fórmula 1 nas mãos e foi superado nos dois primeiros por Hamilton. Era a hora de virar o jogo. Mas como fazer isso? Muito estudo. Não foram poucas as vezes no ano que o alemão conseguiu sair de situações técnicas complicadas apenas com ajustes feitos no volante. Hamilton tem mais talento natural, mas teve várias dificuldades nessas situaçôes neste ano. 

É só lembrar a situação de Baku, quando as ajudas pelo rádio estavam proibidas e o inglês não conseguia achar o ajuste correto no volante. Ou os problemas no acionamento das embreagens nas largadas? Rosberg dominou o carro, o excepcional F1 W07 Hybrid. E foi premiado com o título mundial. O alemão deu uma lição de como superar as adversidades: compensar suas deficiências com muito trabalho. Um belíssimo exemplo para todo mundo.

BLOG VOANDO BAIXO : G1


FOTO -
 Bild Logo

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Brasileirão Série A - Confira os jogos em andamento

O time do Alto da Bica - A foto que virou saudade

O time do Alto da Bica surgiu, consultando minha memória, ali pelos anos 90 e pouco, coincidindo com o início da era Parmalat. Isso talvez explique os meninos - que acompanham os craques - tão bem vestidos. A sede fica na margem da rodovia Cianorte – São Tomé, logo após o ribeirão São Tomé, num trecho conhecido como Bica, por isso o nome: Alto da Bica.

Frequentado por cianortenses ilustres congrega em sua maioria os palmeirenses - também consultando minha memória, e o Avanti -. Nesta foto, em 98, vemos o elenco pronto para mais uma vitória; vou fazer a escalação e pedir mil perdões se errar o nome de alguém, pois embora conhecendo pela fisionomia posso me confundir na denominação. De pé, da esquerda para a direita: Miguel Deneka, Flávio Vieira, Cometa, Gaúcho, Jácomo e Zezé; agachados, na mesma ordem: Antônio Rogério, Maurício, Nilo, Deíca e Spagola...

Por Marco Antônio de Paula Franco