Pular para o conteúdo principal

Conheça os três jogadores da Chapecoense que sobreviveram ao acidente

Resultado de imagem para gazeta do jogadores chapecoense hospital
Dos 22 jogadores da Chapecoense que estavam a bordo do avião que caiu próximo a Medelín, três sobreviveram: o lateral-esquerdo Alan Ruschel, o zagueiro Neto e o goleiro Jackson Follmann. Outras duas pessoas sobreviveram ao acidente. O goleiro Danilo, que havia sido resgatado com vida dos destroços, foi confirmado posteriormente como uma das vítimas fatais da tragédia. Alan Ruschel


Guillermo Ossa/De acordo com a rádio Caracol, da Colômbia, Alan Ruschel teve uma fratura na coluna e lesões múltiplas, além de um corte superficial na cabeça. Ele ainda passa por cirurgia e o quadro de saúde dele é estável. Segundo o médico socorrista do Hospital San Juan, corre o risco de ficar paraplégico. 


 Ruschel começou a carreira nas categorias de base do Juventude, mas não teve muitas oportunidades na equipe. De lá foi emprestado para o Pelotas e para a Luverdense. Em 2012 retornou ao Juventude, sendo um dos destaques da equipe. Em 2013, o jogador foi contratado pela Chapecoense, mas jogou pouco e se transferiu para o Interancional em 2014. Em 2015 foi emprestado para o Atlético, mas na segunda partida pelo clube teve uma lesão e retornou ao Inter. De lá foi novamente para a Chapecoense. 

 Jackson Follmann O diretor médico do Hospital San Vicente Fundação Rionegro, Ferney Rodríguez, disse à rádio Caracol que o goleiro teve múltiplas lesões e médicos estão avaliando a situação dele. Teve a perna amputada. Goleiro reserva da Chape, Follmann é cria da base do Grêmio. Antes de chegar ao time catarinense, passou pelo Juventude e Linense-SP. 

Neste ano, ele estava no URT-MG, onde foi campeão do interior do Campeonato Mineiro. Em maio foi contratado pela Chapecoense. Neto /Segundo o diretor do Hospital San Juan Dios, o zagueiro tem fraturas no crânio e está em estado crítico. Ele foi o último sobrevivente a ser resgatado após o acidente na Colômbia.  

Ele iniciou a carreira no Vasco e a partir de 2006 passou pelo futebol paranaense. Primeiro defendeu o Paraná e depois se transferiu para o Francisco Beltrão e para o Cianorte. Em 2009 foi para o Guarani e acabou emprestado para o Metropolitano-SC. Em 2013 foi contratado pelo Santos, onde jogou 40 partidas. Está na Chapecoense desde 2015.
Resultado de imagem para gazeta do povo

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.