Chapecoense faz história, passa pelo San Lorenzo e está na final da Sul-Americana


Resultado de imagem para chapecoense
Foram 21 dias de espera desde o primeiro confronto. A ansiedade tomou conta da 
torcida e do próprio time, que neste intervalo garantiu a permanência na Série A do Brasileirão.
Tiaguinho, que era dúvida, nem dormia direito. A torcida menos ainda. Tanto que quatro horas antes jogo já tinha gente nos arredores do estádio para receber a delegação. O clima de decisão já começou com a chegada do ônibus com sinalizadores, fumaça verde e bateria. Ao sair do ônibus o técnico Caio Jr vibrou muito com a torcida.Foi com ela que ele contou nas vitória sobre o Cuiabá, Independiente e Junior Barranquilla, nas fases anteriores. A torcida entendeu a importância do jogo e compareceu em número recorde no ano. E vibrou a cada lance. Seja nos "chapéus" de Tiaguinho ou nos carrinhos de Matheus Caramelo.
O jogo era muito pegado. Ananias levou um tranco e nem falta o juiz marcou. O time do Papa Francisco tinha remanescentes da conquista da Libertadores de 2014. Entre eles o goleiro Torrico, que conseguiu mandar para escanteio uma finalização de Ananias. Outro campeão da Libertadores, Emanuel Mas recebeu na direita e concluiu com perigo, porém Danilo fez boa defesa.
Foi o único lance perigoso do adversário no primeiro tempo. A Chapecoense também tinha jogadores experientes chegou a comemorar um gol de Thiego, mas o juiz anulou marcando impedimento.
No segundo tempo a tensão aumentou pois o San Lorenzo, que precisava marcar, foi para cima. Blandi, que entrou na etapa final, obrigou Danilo a fazer boa defesa logo no início. Logo depois o ¿estádio¿ prendeu a respiração quando Emmanuel Mas mandou a bola no poste.
Lucas Gomes entrou no segundo tempo e logo no primeiro lance chutou no ângulo do goleiro Torrico, que ainda mandou para escanteio. Lucas Gomes chamou a torcida para empurrar o time rumo à classificação. Com essa energia a Chapecoense manteve a tradição de nunca ter perdido jogo da Sul-Americana na Arena Condá.
A Chapecoense é o orgulho do Brasil. Imagina então para quem é catarinense e chapecoense. A alegria é tão grande que não cabe num estádio.
O próximo adversário será o vencedor de Atlético Nacional e Cerro Porteño, que jogam nesta quinta-feira, em Medellin. Mas a decisão será no Brasil, que pode ter o terceiro time campeão da Sul-Americana, ao lado e Inter e São Paulo. E isso representaria a Chapecoense na Taça Libertadores de 2017. A América está aprendendo a não duvidar desse time que veste verde e não tem medo de ninguém.
FICHA TÉCNICA
CHAPECOENSE (0)
Danilo, Caramelo, Willian Thiego, Neto e Dener Assunção; Josimar, Gil (Ségio Manoel) e Cleber Santana; Ananias, Tiaguinho (Lucas Gomes) e Kempes (Bruno Rangel). 
Técnico: Caio Jr.
SAN LORENZO (0)Torrico; Angeleri, Coloccini, Caruzzo(Diaz), Emanuel Más; Mussis (Ávila), Cauteruccio, Corujo (Blandi), Ortigoza, Blanco; Cerutti. 
Técnico: Diego Aguirre
Cartões amarelos: Gil (C); Angelleri e Caruzzo, Blandi (SL)
Arbitragem: Daniel Fedorczuk, auxiliado por Miguel Nevas e Richard Trinidad (trio do Uruguai)
Local: Arena Condá, em Chapecó
Público total: 17.569 
Renda: R$ 569.940,00
Resultado de imagem para diario catarinense

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"