Pular para o conteúdo principal

TT : O acidente que matou duas promessas do Timão

Por Rogério Revelles, do site Tardes de Pacaembu 
Resultado de imagem para lidu e eduardo corinthians


Seu futuro estava mais do que desenhado. Morando em São Paulo, prestes a se casar e jogando pelo Corinthians, o jovem talento e grande revelação do futebol carioca, era só felicidade com a campanha do time no campeonato paulista de 1969.
Mas naquela manhã cinzenta de 28 de abril de 1969 a cidade de São Paulo acordou com notícias, ainda um tanto confusas, sobre o acidente automobilístico que vitimou os dois craques do Corinthians, Lidu e Eduardo.Durante toda a madrugada, o clima não poderia ser pior dentro do Parque São Jorge, onde vários funcionários preparavam rapidamente a pequena capela e parte da sede social, além de providenciar o compreensível isolamento das outras áreas do clube. 
**
Uma das formações do Londrina no final dos anos sessenta. Em pé: Lidu, Pinduca, Tomás, Ado, Dobreu e Zequinha. Agachados: Varlei, Almeida, Gauchinho, Capitão e Dirceu. Crédito: Flash bola – diarioweb.com.br.
A qualquer momento, chegariam as duas urnas funerárias diretamente do necrotério do Instituto Médico Legal, onde o presidente do Corinthians, Wadi Helou e o diretor Elmo Franchini, faziam a devida liberação da papelada e cuidavam dos detalhes referentes ao translado dos corpos para as cidades de origem após o velório, que seria realizado no próprio Parque São Jorge.Eduardo Neves de Castro nasceu em 29 de Agosto de 1943, na cidade do Rio de Janeiro. No início dos anos sessenta foi revelado pelo América F.C e assinou seu primeiro contrato profissional em fevereiro de 1964. 

Nos derradeiros meses do ano de 1967, Eduardo formava uma forte ala esquerda com Edu Coimbra e seu passe já despertava o interesse dos grandes clubes da Guanabara. Todavia, o Corinthians já vinha conduzindo em segredo as negociações para trazer o jovem e promissor ponteiro esquerdo para São Paulo.

Quando o contrato com o América terminou, em dezembro de 1967, Eduardo já estava praticamente contratado pelo Corinthians com salário mensal de 1.500 cruzeiros novos. Bem diferente dos 140 cruzeiros mensais que o jogador recebia! Na época, a camisa onze do Corinthians era de Gilson Porto. Apesar da concorrência, Eduardo acabou ganhando a posição com seu futebol habilidoso, dono de dribles envolventes e insinuantes. Em 06 de março de 1968, Eduardo participou do jogo da “quebra do tabu” contra o Santos, na vitória por 2×0 no Pacaembu. 

Os ares de uma nova era pareciam favoráveis e tudo indicava que o jejum de títulos estava com o dias contados. Em junho de 1968, Eduardo foi convocado para a Seleção Brasileira e passou a ser cotado para as eliminatórias da Copa do Mundo realizadas em 1969. Ao todo, foram sete partidas vestindo a camisa canarinho, com um gol assinalado. Em 1969 o Corinthians estava embalado no campeonato paulista. Nas partidas fora da capital a equipe conseguia pontos importantes e nos clássicos apresentava um resultado como há muito tempo não se via:

- 02 de março: SÃO PAULO 2 x CORINTHIANS 4. - 16 de março: 
PORTUGUESA DE DESPORTOS 2 x CORINTHIANS 3. 
- 30 de março: CORINTHIANS 2 x PALMEIRAS 0. 
- 13 de abril: SANTOS 0 x CORINTHIANS 2.

A tabela reservava para o domingo de 27 de abril o encontro contra o sempre perigoso São Bento em Sorocaba.Como esperado, o jogo foi difícil e o ponto conseguido no empate de 1×1 foi importante para manter a ótima campanha. Abaixo, a ficha do jogo publicada no site cacellain.com.br: 
  SÃO BENTO 1 x CORINTHIANS 1.

Local: Estádio “Humberto Reale”, em Sorocaba (SP). 

São Bento: Alberto: Aranha, Milton, Gibe e Jair: Maranhão e Bazaninho; Alan, Carlinhos (Peri), Mazinho e Batista. 
 Corinthians: Lula: Lidú, Ditão, Luis Carlos e Pedro Rodrigues; Dirceu Alves e Rivelino; Paulo Borges, Tales, Benê (Servilio) e Eduardo.

FOTO ** -
Uma das formações do Londrina no final dos anos sessenta. Em pé: Lidu, Pinduca, Tomás, Ado, Dobreu e Zequinha. Agachados: Varlei, Almeida, Gauchinho, Capitão e Dirceu. Crédito: Flash bola – diarioweb.com.br.

Ludgero Pereira da Silva, mais conhecido como Lidu, nasceu em 21 de março de 1947 na cidade de Presidente Prudente (SP). Pelo Londrina E.C, Lidu atuou ao lado do goleiro Ado (que depois também jogou pelo Corinthians).

Em 1969, jogando como lateral direito, Lidu foi contratado pelo Corinthians. Naquela temporada, o alvinegro embalou ótimos resultados no campeonato paulista.

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol e a salsicha

Dia destes numa fila qualquer ouví um dizer: "Perdí as esperanças no futebol depois da final da Copa da França em 1998. 
 Logo pensei : 

" Se Imaginássemos como são feitos o futebol e a salsicha jamais consumiriamos essas "guloseimas"

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

07/08/2016 22:05 A seleção brasileira masculina de hóquei sobre grama disputou o seu segundo compromisso no torneio dos Jogos Olímpicos Rio 2016 neste domingo, 8 de agosto, no Centro Olímpico de Hóquei, no Complexo de Deodoro. Ao enfrentar a forte Bélgica, a seleção brasileira foi derrotada pelo placar de 12 a 0. O Brasil passou a somar duas derrotas em duas partidas, já que perdeu na estreia para a Espanha por 5 a 0. Na próxima rodada, terça-feira, 9 de agosto, os brasileiros voltam a campo para encarar a Grã-Bretanha. Encarando um time muito competitivo, os atletas brasileiros conseguiram manter o jogo equilibrado até o fim do primeiro quarto – de um total de quatro quartos, de 15 minutos cada –, quando a Bélgica marcou seus dois primeiros gols. A partir daí, a equipe brasileira sucumbiu à superioridade belga, ameaçando o gol adversário apenas em lances esporádicos. Com o domínio absoluto da partida, a Bélgica foi ampliando até chegar ao placar final de 12 a 0. "Pela primeira vez …

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)