Pular para o conteúdo principal

Futebol foi instrumento político durante a ditadura militar

Resultado de imagem para copa 70 ditadura
A relação íntima entre o regime militar e o futebol brasileiro serviu de objeto de estudo para a dissertação de mestrado do pesquisador, Aníbal Renan Martinot Chaim, do Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. O levantamento feito pelo pesquisador detalhou como a seleção brasileira de futebol foi utilizada como instrumento de propaganda política durante os chamados “anos de chumbo” da ditadura.
Após o golpe militar em 1º de abril de 1964, o Brasil passou a viver um período de grande instabilidade inclusive com muitas forças políticas descontentes com o novo regime. Em 28 de março de 1968, já durante o governo Costa e Silva, o estudante Edson Luís foi assassinado num confronto com a Polícia Militar o que “desencadeou uma série de acontecimentos que acabou por exponenciar a polarização entre reformistas e conservadores no país. Se até aquele momento, em março de 1968, houve relativa aceitação dos métodos de exceção utilizados pelo governo militar em nome da consolidação dos objetivos da ‘Revolução’, a morte daquele estudante ceifou o pouco que havia restado das expectativas reformistas”, relata Aníbal em sua dissertação.
Ciente das pressões que estava sofrendo, o presidente Costa e Silva definiu que o futebol seria uma boa forma de acalmar os ânimos da população e convocou uma reunião com o então presidente da Confederação Brasileira de Desportos (CBD - atual CBF), João Havelange, e com o vice, Paulo Machado de Carvalho. Nessa reunião, Artur da Costa e Silva afirmou que “o Brasil não pode perder este campeonato. Temos de dar um jeito de qualquer forma [...]. Em 1970 o Brasil estará disputando essa taça do mundo. Como presidente, gostaria que o povo brasileiro, ainda na minha gestão, festejasse a conquista” como ficou registrado na edição de 4 de dezembro de 1968 de A Gazeta Esportiva. 
Com o afastamento de Costa e Silva, Médici assumiu e os planos de atrelar a imagem da presidência da república ao futebol seguiram. Um dos primeiros atos do novo presidente foi assinar a criação da Loteria Esportiva por meio da qual a CBD conseguiu realizar “uma preparação física e tática bastante rigorosa para a Copa do Mundo que se aproximava”, conta Aníbal. Médici passou a comparecer aos eventos esportivos e também a se aproximar dos jogadores que integravam a seleção brasileira. “Às vésperas do embarque da seleção brasileira para o México, Médici promoveu um banquete no Palácio das Laranjeiras para o qual convidou todos os jogadores que representariam o país”, relata o pesquisador. Ainda antes da estreia da seleção na Copa do Mundo de 1970, Médici enviou um telegrama desejando boa sorte aos jogadores e alguns dias depois o título mundial veio para o Brasil, sendo recebido em Brasília com muita pompa.
A copa do mundo é nossa
A relação próxima entre políticos e esportistas não foi uma novidade no século 20. Os Jogos Olímpicos de 1936, realizados em Berlim durante o regime nazista, bem como a Copa do Mundo realizada na Argentina em 1978, durante a ditadura militar, são apenas alguns exemplos semelhantes ao brasileiro. Em 2014, ano em que o golpe completa 50 anos, o Brasil realiza uma Copa do Mundo no primeiro semestre e as eleições presidenciais no segundo. 

O especialista na relação entre política e esporte afirma que “assim como na Copa de 50, para receber um evento como este é necessário gastar muito dinheiro e esse dinheiro precisa ser tirado de outros lugares pra abrigar um Copa do Mundo. Seria possível realizar outros eventos com menos dinheiro, mas a preferência pelo esporte não é a toa”. Com isso, a expectativa é saber se o desempenho esportivo da seleção brasileira refletirá nas urnas.

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.