Pular para o conteúdo principal

Paraolimpíada: Paranaenses conquistam medalha de prata na bocha

bocha
Eliseu dos Santos, 39 anos, e Marcelo dos Santos, 43, os irmãos naturais de Telêmaco Borba, Paraná, conquistaram ontem, 13, a medalha de prata para o Brasil na competição de bocha da Paralimpíada Rio-2016, categoria BC4. Completou o time brasileiro o paulista Dirceu Pinto (foto).  Os paranaenses disputaram a final contra a Eslováquia, formada pelo trio Robert Durkovic, Samuel Andrejcik e Michaela Balcova. 

Em um jogo difícil, a equipe brasileira começou abrindo 2 a 0 no placar. Porém, no segundo e os eslovacos igualaram o placar e no terceiro passaram a frente, chegando a 3 a 2. 

Na última parte do jogo os brasileiros não conseguiram reverter o placar, terminando 4 a 2 para a Eslováquia. Esta é a quinta medalha paralímpica de Eliseu, bronze no individual e ouro nos pares em Londres-2012, ouro nos pares nos Jogos de Pequim-2008. Devido a uma distrofia muscular, Eliseu perdeu gradativamente os movimentos dos membros superiores e conheceu a bocha aos 29 anos. Marcelo conquistou a sua primeira medalha. Ele nasceu com distrofia muscular progressiva e iniciou na bocha em 2007. 

(DM Esportes/ Foto: CPB)

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Brasileirão Série A - Confira os jogos em andamento

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.