Novo esporte olímpico, escalada tem campeã curitibana. Conheça a modalidade

Resultado de imagem para escalada esportiva
Entre as cinco novas modalidades olímpicas anunciadas para os Jogos de Tóquio, em 2020, a escalada foi a que chamou mais atenção. O esporte é pouco conhecido do público em geral, mas os praticantes esperam uma verdadeira transformação nos próximos anos. Chegou a hora de deixar o status de “amador” para trás.
“Agora muda tudo. A escalada passa a ter mais visibilidade, mais investimentos, e a se profissionalizar de fato”, acredita Camila Macedo, bicampeã brasileira na prova de boulder, que utiliza blocos de pedra.
A paulista de 34 anos mora desde os 14 em Curitiba. Neste domingo (11), ela viaja para a França, onde disputará o Mundial de sua categoria. Se alcançar a semifinal, o resultado será considerado histórico.
“Há um abismo entre nós e as demais potências mundiais. Estamos crescendo, mas ainda falta muito, até em relação à excelência de treinos. Nós também, por exemplo, sequer temos antidoping ainda”, conta Camila. “Mas agora que estamos na Olimpíada, o futuro será outro”, confia.

Além da escalada, surfe, skate, caratê e beisebol/softbol serão modalidades que vão estrear na próxima Olimpíada. Entre os países com mais tradição na escalada estão Estados Unidos, França, Alemanha, Eslovênia e República Tcheca.
“O Brasil ainda está engatinhando no esporte, principalmente no que se refere ao capital envolvido. Ainda temos poucos patrocinadores, mas acredito que, com a maior exposição, mais empresários vão se interessar e o próprio governo federal vai se preocupar em criar equipes fixas”, projeta William Feitosa Vieira, instrutor e um dos proprietários do Campo Base, um dos principais ginásios de escalada indoor do Brasil, cravado no Centro de Curitiba.
Estima-se que 25 mil pessoas pratiquem a modalidade no país. O número só tende a aumentar, entre profissionais e amadores.
“O nosso esporte é muito democrático. Uma criança pode participar e também um senhor de 70 anos. O que importa é a vontade de superar os próprios medos e limites”, exalta Feitosa.
A prática exige uma série de itens de segurança e, para amadores, o acompanhamento constante de instrutores. Os equipamentos (corda, costura, sapatilha, cadeirinha e colchão) saem, em média, por R$ 1500 e duram de cinco a dez anos. A mensalidade sai por volta de R$ 150.
Para a editora de fotografia Marcella Kopp, que pratica escalada esportiva de forma amadora três vezes por semana, a sensação de liberdade vale a briga contra os medos. “É incrível como a gente esquece tudo quando está escalando e só se concentra nos obstáculos, na subida. Melhora muito a qualidade de vida, tranquiliza”, destaca.
Resultado de imagem para gazeta do povo

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"