Pular para o conteúdo principal

Novo esporte olímpico, escalada tem campeã curitibana. Conheça a modalidade

Resultado de imagem para escalada esportiva
Entre as cinco novas modalidades olímpicas anunciadas para os Jogos de Tóquio, em 2020, a escalada foi a que chamou mais atenção. O esporte é pouco conhecido do público em geral, mas os praticantes esperam uma verdadeira transformação nos próximos anos. Chegou a hora de deixar o status de “amador” para trás.
“Agora muda tudo. A escalada passa a ter mais visibilidade, mais investimentos, e a se profissionalizar de fato”, acredita Camila Macedo, bicampeã brasileira na prova de boulder, que utiliza blocos de pedra.
A paulista de 34 anos mora desde os 14 em Curitiba. Neste domingo (11), ela viaja para a França, onde disputará o Mundial de sua categoria. Se alcançar a semifinal, o resultado será considerado histórico.
“Há um abismo entre nós e as demais potências mundiais. Estamos crescendo, mas ainda falta muito, até em relação à excelência de treinos. Nós também, por exemplo, sequer temos antidoping ainda”, conta Camila. “Mas agora que estamos na Olimpíada, o futuro será outro”, confia.

Além da escalada, surfe, skate, caratê e beisebol/softbol serão modalidades que vão estrear na próxima Olimpíada. Entre os países com mais tradição na escalada estão Estados Unidos, França, Alemanha, Eslovênia e República Tcheca.
“O Brasil ainda está engatinhando no esporte, principalmente no que se refere ao capital envolvido. Ainda temos poucos patrocinadores, mas acredito que, com a maior exposição, mais empresários vão se interessar e o próprio governo federal vai se preocupar em criar equipes fixas”, projeta William Feitosa Vieira, instrutor e um dos proprietários do Campo Base, um dos principais ginásios de escalada indoor do Brasil, cravado no Centro de Curitiba.
Estima-se que 25 mil pessoas pratiquem a modalidade no país. O número só tende a aumentar, entre profissionais e amadores.
“O nosso esporte é muito democrático. Uma criança pode participar e também um senhor de 70 anos. O que importa é a vontade de superar os próprios medos e limites”, exalta Feitosa.
A prática exige uma série de itens de segurança e, para amadores, o acompanhamento constante de instrutores. Os equipamentos (corda, costura, sapatilha, cadeirinha e colchão) saem, em média, por R$ 1500 e duram de cinco a dez anos. A mensalidade sai por volta de R$ 150.
Para a editora de fotografia Marcella Kopp, que pratica escalada esportiva de forma amadora três vezes por semana, a sensação de liberdade vale a briga contra os medos. “É incrível como a gente esquece tudo quando está escalando e só se concentra nos obstáculos, na subida. Melhora muito a qualidade de vida, tranquiliza”, destaca.
Resultado de imagem para gazeta do povo

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 já é realidade e as expectativas de medalhas brasileiras são grandes. No nado sincronizado, entretanto, a esperança é de uma quebra de tabu, já que desde que foi incluído no programa olímpico, em Los Angeles 1984, a modalidade nunca viu uma brasileira no pódio. Para que o sonho se torne realidade, a equipe já treinava intensamente no Centro Aquático Maria Lenk, antes mesmo do início da Rio 2016, casa do nado, saltos ornamentais e polo aquático. 

As provas do nado sincronizado começam só no dia 14 de agosto, mas as brasileiras já estão na arena aquática do Rio (as provas de natação acontecerão em outro local) para entrar no clima olímpico e se familiarizar ainda mais com o local. "A gente está "super feliz" por ter vindo mais cedo e já ter começado a sentir o clima dos Jogos. 

Treinávamos aqui, mas agora o clima é diferente. Além de estar mais bonito, brincamos que já tem cheiro de olimpíada. Os países ainda estão começando a chegar. O ambiente …

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

07/08/2016 22:05 A seleção brasileira masculina de hóquei sobre grama disputou o seu segundo compromisso no torneio dos Jogos Olímpicos Rio 2016 neste domingo, 8 de agosto, no Centro Olímpico de Hóquei, no Complexo de Deodoro. Ao enfrentar a forte Bélgica, a seleção brasileira foi derrotada pelo placar de 12 a 0. O Brasil passou a somar duas derrotas em duas partidas, já que perdeu na estreia para a Espanha por 5 a 0. Na próxima rodada, terça-feira, 9 de agosto, os brasileiros voltam a campo para encarar a Grã-Bretanha. Encarando um time muito competitivo, os atletas brasileiros conseguiram manter o jogo equilibrado até o fim do primeiro quarto – de um total de quatro quartos, de 15 minutos cada –, quando a Bélgica marcou seus dois primeiros gols. A partir daí, a equipe brasileira sucumbiu à superioridade belga, ameaçando o gol adversário apenas em lances esporádicos. Com o domínio absoluto da partida, a Bélgica foi ampliando até chegar ao placar final de 12 a 0. "Pela primeira vez …

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)