ZH

 

Zero Hora

Últimas notícias

Carregando...

/

ESPORTE PARA TODOS!

 

OUÇA - A VIDA DE WILSON SILVA

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Gigantes da Colina

Ademir Menezes, Jair Rosa Pinto, Heleno, Zizinho e Tesourinha (Seleção Brasileira/1945)

Tesourinha , após ajudar o Internacional a ganhar oito títulos estaduais e participar de 45 Gre-Nais, achou que era a hora de sair do clube. Deixou o Inter no final de outubro de 1949, após o time perder o título da cidade para o Grêmio, transferindo-se para o Vasco da Gama em dezembro. O ano de 1949 foi ruim para o time do Internacional, mas foi bom para Tesourinha, que se tornou campeão sul-americano no início do ano. 
Na vitória que garantiu o título – 7 a 0 contra o Paraguai -, Tesourinha marcou dois gols. Além disso foi peça importante em diversos jogos.

Mas o que repercutiu mesmo em Porto Alegre foi a transferência do jogador para o Vasco da Gama, que pagou ao Internacional 300 mil cruzeiros, o passe do atacante Solis, mais a arrecadação de dois jogos entre as equipes. Mas a ida de Tesourinha para o Rio de Janeiro não transformou todos os seus sonhos em realidade. 
Em pé: Eli, Barbosa, Danilo, Augusto, Clarel e Alfredo
Agachados: Tesourinha, Ademir, Friaça, Maneca e Dejair
(Vasco 2x0 Peñarol - 1951, Maracanã)
Após ter ajudado o Brasil a ganhar a Copa Rio Branco em março de 1950, uma lesão no joelho direito, uma das poucas na carreira, impediu sua participação na Copa do Mundo, realizada no Brasil. Talvez fosse outra a história do mundial daquele ano se Tesourinha estivesse em campo na final trágica para o Brasil, derrotado pelo Uruguai. 
Vasco/1951 - Tesourinha, Ipojucan, Friaça, Maneca e Dejair
(foto do Globo Esportivo enviada por Valdir Appel)
Mas o craque foi brilhante no Vasco, onde se tornou campeão carioca em 1950 e ganhou o título do brasileiro de seleções com a camisa do Rio de Janeiro. No time cruzmaltino, o ponta direita aparece com destaque. Também foi indicado para ocupar a posição no melhor time do Internacional de todos os tempos, em consulta feita a jornalistas e torcedores ilustres do clube no início dos anos 80, pela Revista Placar.” (Kenny Braga, "Rolo Compressor, memória de um time fabuloso")
OS GIGANTES DA COLINA