Pular para o conteúdo principal

Em rodada adiada, Flu vence e complica Figueirense

                Do Estadão Conteúdo | esportes@band.com.br 
Resultado de imagem para fluminense
Um fraco início de segundo tempo quase complicou a vida do Fluminense, que teve de reagir para conquistar uma importante vitória contra o Figueirense por 3 a 2, neste sábado, no estádio Giulite Coutinho, em Mesquita (RJ). O resultado em jogo atrasado pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro coloca o time tricolor na briga pela classificação à Copa Libertadores da América do próximo ano e complica a vida do clube catarinense na tabela, que está na zona da degola. 

 Em ascensão, os cariocas assumiram a oitava posição, com 34 pontos, três atrás do Corinthians, quarto colocado. Na luta contra o rebaixamento, o Figueirense segue em 18º, com 24 pontos e desperdiçou a chance de subir cinco posições. Na quarta-feira o Fluminense enfrenta o Botafogo, no estádio Luso Brasileiro, no Rio, enquanto os catarinenses pegam o Atlético Paranaense, no Orlando Scarpelli, em Florianópolis, na abertura da 23ª rodada. Pelo primeiro tempo, parecia que o Fluminense conseguiria uma goleada com tranquilidade. Aos seis minutos, Renato Chaves fez boa jogada e passou para Gustavo Scarpa quase abrir o marcador. 

O jogo era todo tricolor, que não demorou para balançar as redes. Aos 13, Wellington fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Gustavo Scarpa marcar de cabeça: 1 a 0. Sem diminuir o ritmo, o time carioca logo ampliou. Aos 19, após confusão na área, Gatito Fernández espalmou em cima de Renato Chaves, que completou de cabeça para o gol: 2 a 0. Atordoado, o Figueirense tinha como problema o nervoso Carlos Alberto, que começou a discutir com a arbitragem, Wellington Silva e o técnico Levir Culpi. 

 O descontrole do jogador, somado ao desempenho ruim da equipe, quase custou o terceiro gol sofrido ainda no primeiro tempo. Após novo erro defensivo alvinegro, Henrique Dourado perdeu grande chance na pequena área. No último minuto, Wellington Silva cruzou para Cícero cabecear forte e ver Gatito Fernández fazer grande defesa. No segundo tempo, Carlos Alberto voltou concentrado na partida e fez a diferença. 

Aos três minutos, o meia acertou um belo chute de fora da área e diminuiu o prejuízo: 2 a 1. A nova postura do time catarinense incomodou a equipe tricolor, que não encontrava a mesma facilidade para furar o bloqueio adversário. Aos 15, veio o empate. Ayrton cobrou falta na área e Nirley completou de cabeça: 2 a 2. Imediatamente, Levir colocou Magno Alves no lugar de Henrique Dourado. Não surtiu muito efeito. Aos 27, Rafael Silva girou com facilidade e quase virou o placar. 

 Quando o Figueirense era melhor em campo, o Fluminense voltou a marcar. Aos 33, Wellington Silva cruzou na medida para Magno Alves balançar as redes de cabeça: 3 a 2. Novamente com a vantagem, o time tricolor voltou a falhar e quase entregou o empate. Na melhor oportunidade, Diego Cavalieri saiu errado do gol e Lins cabeceou. Para a sorte carioca, a bola foi na trave. 

Aos 49, o goleiro voltou a falhar e Nirley marcou o gol. Mas, desta vez, o árbitro marcou falta no camisa 12 e encerrou o jogo com a vitória do time de Levir Culpi.
Resultado de imagem para band.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Brasileirão Série A - Confira os jogos em andamento

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.