Pular para o conteúdo principal

Como a ditadura fez o modesto Real Madrid se transformar num gigante?

Resultado de imagem para real madrid ditadura
Existe uma discussão sem fim no futebol espanhol: o Real Madrid só é tão grande por ter recebido ajuda da ditadura de Franco? Um documentário recente defende essa ideia e levanta a polêmica relação do ditador com o time de Cristiano Ronaldo. A influência na contratação de Di Stéfano, a construção do estádio Santiago Bernabéu, o uso do clube como propaganda internacional e favores dos árbitros são a base do filme de cerca de uma hora. 
Resultado de imagem para real madrid ditadura
 O documentário se chama "O Madrid real. A lenda negra da glória branca" e é de autoria de Carles Torras. Ex-dirigentes, Di Stéfano e até o neto de Francisco Franco dão depoimentos. O filme defende a ideia de que o Real seria um time modesto não fosse a ditadura franquista. Di Stéfano é um dos grandes pivôs da disputa que alimenta até hoje a rivalidade entre Real e Barcelona. 

Lenda entre os torcedores merengues, o argentino chegou à Espanha para assinar com o Barça. No entanto, havia um imbróglio entre River Plate e Millonarios-COL sobre o dono de seus direitos. O Barça fechou com o River, enquanto o Real tratou com os colombianos (durante um tempo não reconhecidos pela Fifa). 

A decisão da federação espanhola foi que Di Stéfano atuasse uma temporada em cada time durante quatro anos. A equipe catalã considerou o negócio absurdo e desistiu. Segundo o filme, a posição da federação foi resultado da influência de Franco. Naquela época, o Barcelona, símbolo da Catalunha, tinha um time poderoso comandado pelo húngaro Ladislao Kubala, estrela do momento, e Franco queria fortalecer o Real Madrid para usar sua imagem na propaganda internacional de seu regime. 

Não à toa, alega o documentário, um amigo de Franco, Raimundo Saporta, entrou no clube e assumiu a responsabilidade de exportar a marca Real Madrid. O filme também defende que o estádio Santiago Bernabéu foi construído com dinheiro público num surpreendente intervalo inferior a três anos, mesmo em um período no qual o país ainda se recuperava da Guerra Civil e o clube andava mal das pernas financeiramente. O presidente do Real na época era Santiago Bernabéu, ex-jogador do clube e soldado das tropas de Franco durante a guerra. O último grande argumento do documentário é a íntima e suspeita relação do clube com a comissão de arbitragem da época. Presentes eram enviados às mulheres dos árbitros. 

"Tínhamos o costume de mandar presentes para as esposas, como ramos de flores", declarou um ex-dirigente do Real. O fato é que, durante a ditadura liderada por Franco, o Real Madrid encerrou um jejum de duas décadas sem ganhar o Espanhol e faturou 14 troféus, além de suas primeiras seis copas europeias. Um salto e tanto.
Resultado de imagem para uol

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 já é realidade e as expectativas de medalhas brasileiras são grandes. No nado sincronizado, entretanto, a esperança é de uma quebra de tabu, já que desde que foi incluído no programa olímpico, em Los Angeles 1984, a modalidade nunca viu uma brasileira no pódio. Para que o sonho se torne realidade, a equipe já treinava intensamente no Centro Aquático Maria Lenk, antes mesmo do início da Rio 2016, casa do nado, saltos ornamentais e polo aquático. 

As provas do nado sincronizado começam só no dia 14 de agosto, mas as brasileiras já estão na arena aquática do Rio (as provas de natação acontecerão em outro local) para entrar no clima olímpico e se familiarizar ainda mais com o local. "A gente está "super feliz" por ter vindo mais cedo e já ter começado a sentir o clima dos Jogos. 

Treinávamos aqui, mas agora o clima é diferente. Além de estar mais bonito, brincamos que já tem cheiro de olimpíada. Os países ainda estão começando a chegar. O ambiente …

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

07/08/2016 22:05 A seleção brasileira masculina de hóquei sobre grama disputou o seu segundo compromisso no torneio dos Jogos Olímpicos Rio 2016 neste domingo, 8 de agosto, no Centro Olímpico de Hóquei, no Complexo de Deodoro. Ao enfrentar a forte Bélgica, a seleção brasileira foi derrotada pelo placar de 12 a 0. O Brasil passou a somar duas derrotas em duas partidas, já que perdeu na estreia para a Espanha por 5 a 0. Na próxima rodada, terça-feira, 9 de agosto, os brasileiros voltam a campo para encarar a Grã-Bretanha. Encarando um time muito competitivo, os atletas brasileiros conseguiram manter o jogo equilibrado até o fim do primeiro quarto – de um total de quatro quartos, de 15 minutos cada –, quando a Bélgica marcou seus dois primeiros gols. A partir daí, a equipe brasileira sucumbiu à superioridade belga, ameaçando o gol adversário apenas em lances esporádicos. Com o domínio absoluto da partida, a Bélgica foi ampliando até chegar ao placar final de 12 a 0. "Pela primeira vez …

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)