Pular para o conteúdo principal

Bolas paradas, queda de rendimento e desgaste deixam Jorginho em xeque

Resultado de imagem para jorginho vasco
Não há mais unanimidade no Vasco. Antes tido como intocável, Jorginho já começa a ter o trabalho questionado nos bastidores após seis partidas sem vitória, e a tranquilidade que ainda encara o dia a dia vai muito da postura de Eurico Miranda, que não é adepto de trocas abruptas de comando. Visto praticamente como um midas ao quase evitar o rebaixamento no ano passado e levar o Cruz-Maltino ao título invicto no Carioca - com direito a renovação de contrato após assédio do Cruzeiro -, o treinador tem sofrido com questionamentos internos na diretoria e até mesmo no elenco. A liderança isolada de ponta a ponta na Série B, entretanto, ainda dá fôlego na esperança pelo retorno da boa fase.   
O desgaste, por sua vez, é evidente. Em treinamento há duas semanas, por exemplo, o comandante se indispôs com Rodrigo, capitão da equipe e figura muito próxima da diretoria. O zagueiro reclamou de Jordi e questionou o trabalho do preparador de goleiros Flávio Tepedino, sendo repreendido por Jorginho pela quebra de hierarquia. O defensor, no entanto, está longe de ser o único atleta com pendências com o comandante.    
As constantes alterações na equipe também não têm sido vistas com bons olhos e não têm surtido efeito dentro de campo. O time decorado "do goleiro ao ponta esquerda" do início do ano não existe mais. Pikachu ganhou a posição de Madson, Diguinho e Marcelo Mattos alternam como primeiro cabeça de área, Douglas surge como dono de uma posição já testada por Julio dos Santos, Fellype Gabriel e William, na defesa Rafael Marques foi escolhido para substituir Luan - função que vinha sendo de Jomar - e não foi nada bem, e no ataque Ederson e Júnior Dutra chegaram e "furaram" a fila que tinha Leandrão e Thalles.   
Nos bastidores há ainda insatisfação pela queda de rendimento mesmo após 18 dias sem jogos durante a Olimpíada. Dirigentes questionam a performance do clube após este período: três derrotas e dois empates contra clubes na zona de rebaixamento da Série B. Os gols sofridos em bolas paradas também são alvos de "cornetas" internas. Contra Sampaio Corrêa, Santos - duas vezes -, Tupi e Bahia o time foi vazado assim.   
Outro ponto que é evidente para quem convive no dia a dia do clube é o distanciamento entre o treinador e o gerente de futebol Isaias Tinoco, representante da diretoria no vestiário. Ainda líder e garantido no G-4 independentemente de resultados na próxima rodada, seria exagero dizer que Jorginho balança em São Januário. A cultura do próprio clube nem aponta para isso. Mas o desgaste existe e a unanimidade está longe de se fazer presente. Um triunfo sábado, às 16h30 (de Brasília), diante do Oeste, em casa, se faz emergencial para que decisões mais drásticas não comecem a rondar a Colina.
Resultado de imagem para globo esporte.com

Postagens mais visitadas deste blog

O futebol e a salsicha

Dia destes numa fila qualquer ouví um dizer: "Perdí as esperanças no futebol depois da final da Copa da França em 1998. 
 Logo pensei : 

" Se Imaginássemos como são feitos o futebol e a salsicha jamais consumiriamos essas "guloseimas"

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

07/08/2016 22:05 A seleção brasileira masculina de hóquei sobre grama disputou o seu segundo compromisso no torneio dos Jogos Olímpicos Rio 2016 neste domingo, 8 de agosto, no Centro Olímpico de Hóquei, no Complexo de Deodoro. Ao enfrentar a forte Bélgica, a seleção brasileira foi derrotada pelo placar de 12 a 0. O Brasil passou a somar duas derrotas em duas partidas, já que perdeu na estreia para a Espanha por 5 a 0. Na próxima rodada, terça-feira, 9 de agosto, os brasileiros voltam a campo para encarar a Grã-Bretanha. Encarando um time muito competitivo, os atletas brasileiros conseguiram manter o jogo equilibrado até o fim do primeiro quarto – de um total de quatro quartos, de 15 minutos cada –, quando a Bélgica marcou seus dois primeiros gols. A partir daí, a equipe brasileira sucumbiu à superioridade belga, ameaçando o gol adversário apenas em lances esporádicos. Com o domínio absoluto da partida, a Bélgica foi ampliando até chegar ao placar final de 12 a 0. "Pela primeira vez …

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)