Bolas paradas, queda de rendimento e desgaste deixam Jorginho em xeque

Resultado de imagem para jorginho vasco
Não há mais unanimidade no Vasco. Antes tido como intocável, Jorginho já começa a ter o trabalho questionado nos bastidores após seis partidas sem vitória, e a tranquilidade que ainda encara o dia a dia vai muito da postura de Eurico Miranda, que não é adepto de trocas abruptas de comando. Visto praticamente como um midas ao quase evitar o rebaixamento no ano passado e levar o Cruz-Maltino ao título invicto no Carioca - com direito a renovação de contrato após assédio do Cruzeiro -, o treinador tem sofrido com questionamentos internos na diretoria e até mesmo no elenco. A liderança isolada de ponta a ponta na Série B, entretanto, ainda dá fôlego na esperança pelo retorno da boa fase.   
O desgaste, por sua vez, é evidente. Em treinamento há duas semanas, por exemplo, o comandante se indispôs com Rodrigo, capitão da equipe e figura muito próxima da diretoria. O zagueiro reclamou de Jordi e questionou o trabalho do preparador de goleiros Flávio Tepedino, sendo repreendido por Jorginho pela quebra de hierarquia. O defensor, no entanto, está longe de ser o único atleta com pendências com o comandante.    
As constantes alterações na equipe também não têm sido vistas com bons olhos e não têm surtido efeito dentro de campo. O time decorado "do goleiro ao ponta esquerda" do início do ano não existe mais. Pikachu ganhou a posição de Madson, Diguinho e Marcelo Mattos alternam como primeiro cabeça de área, Douglas surge como dono de uma posição já testada por Julio dos Santos, Fellype Gabriel e William, na defesa Rafael Marques foi escolhido para substituir Luan - função que vinha sendo de Jomar - e não foi nada bem, e no ataque Ederson e Júnior Dutra chegaram e "furaram" a fila que tinha Leandrão e Thalles.   
Nos bastidores há ainda insatisfação pela queda de rendimento mesmo após 18 dias sem jogos durante a Olimpíada. Dirigentes questionam a performance do clube após este período: três derrotas e dois empates contra clubes na zona de rebaixamento da Série B. Os gols sofridos em bolas paradas também são alvos de "cornetas" internas. Contra Sampaio Corrêa, Santos - duas vezes -, Tupi e Bahia o time foi vazado assim.   
Outro ponto que é evidente para quem convive no dia a dia do clube é o distanciamento entre o treinador e o gerente de futebol Isaias Tinoco, representante da diretoria no vestiário. Ainda líder e garantido no G-4 independentemente de resultados na próxima rodada, seria exagero dizer que Jorginho balança em São Januário. A cultura do próprio clube nem aponta para isso. Mas o desgaste existe e a unanimidade está longe de se fazer presente. Um triunfo sábado, às 16h30 (de Brasília), diante do Oeste, em casa, se faz emergencial para que decisões mais drásticas não comecem a rondar a Colina.
Resultado de imagem para globo esporte.com

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"