ZH

 

Zero Hora

Últimas notícias

Carregando...

/

ESPORTE PARA TODOS!

 

OUÇA - A VIDA DE WILSON SILVA

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Rio 2016 : Time Brasil bate recorde de medalhas e fica a três conquistas do Top 10

22/08/2016 17:26
Os Jogos Olímpicos Rio 2016 chegaram ao fim, e a maior delegação brasileira na história da competição se despediu com o recorde de 19 medalhas, sendo sete de ouro, seis de prata e seis de bronze. O Time Brasil alcançou uma inédita 12ª colocação no quadro geral de medalhas. Nos últimos Jogos Olímpicos, em Londres 2012 e Pequim 2008, o Brasil obteve três ouros. Agora, este número mais do que dobrou, culminando com a brilhante conquista do vôlei masculino, no Maracanãzinho. O maior número de ouros, anteriormente, era de cinco medalhas douradas, em Atenas 2004.




No Rio de Janeiro, o Brasil aumentou ainda o número de modalidades no pódio, um dos maiores objetivos do planejamento estratégico do Comitê Olímpico do Brasil (COB). Atletas de 12 modalidades conquistaram medalhas, enquanto que na edição anterior foram nove e em Pequim 2008, oito. O Time Brasil ficou a apenas três medalhas de atingir a meta de ficar entre os dez primeiros países pelo número total de medalhas no Rio 2016. O décimo colocado pelo total de medalhas foi o Canadá, com 22 medalhas e o 11º ficou com a Coreia, com 21. A Holanda, com 19 medalhas, ficou empatada com o Brasil.
Confira os números do Time Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016




"Temos o dever cumprido. Tivemos um Jogos Olímpicos com características que já estamos sentindo e falando há algum tempo, que é a diversificação de resultados. Países que ganharam medalhas pela primeira vez na história e também os primeiros a participarem de finais. Os Jogos Olímpicos vêm trazendo essa universalidade de uma maneira muito intensa e cada vez mais em benefício da juventude e dos futuros atletas. Os atletas brasileiros foram espetaculares em todos os sentidos e isso vai abrir as portas que sempre desejamos para o futuro do esporte brasileiro, com modalidades que até então não tínhamos popularidades mas tivemos resultados importantes e a torcida presente", afirmou o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman.




Sobre a meta do COB, Nuzman completou: "O objetivo não é meramente numérico, é o todo, abrangendo o que vai ficar de legado. E acho que o reconhecimento feito ao trabalho do Time Brasil, em termos nacionais e internacionais, é altamente favorável. É um contexto de finais e de quartos e quintos lugares, que refletem a qualidade do trabalho que foi feito pelo COB e pelas Confederações Brasileiras Olímpicas", disse.




O Chefe da Missão Brasileira no Rio 2016, Bernard Rajzman, lembrou que a meta era propositadamente ousada. "O COB determinou uma meta difícil e ousada com a intenção de elevar os resultados históricos do Time Brasil em Jogos Olímpicos. A meta tem um foco numérico, mas o planejamento do COB proporcionou a melhor preparação da história. Isso possibilitou a cada atleta condições para que buscassem os melhores resultados de suas carreiras. De uma forma geral a meta aponta o número total de medalhas mas para o COB tem outra abrangência, como número de modalidades medalhistas, participações em finais e semifinais. Nesses quesitos tivemos muito êxito, assim como chegamos bem próximos ao top 10 no quadro geral de medalhas", afirmou Bernard Rajzman, Chefe de Missão do Time Brasil no Rio 2016.




Nos Jogos Rio 2016, o Time Brasil conquistou medalhas em 12 modalidades: atletismo, boxe, canoagem velocidade, futebol, ginástica artística, judô, maratonas aquáticas, taekwondo, tiro esportivo, vela, vôlei e vôlei de praia. Canoagem e maratona aquática nunca haviam trazido medalhas para o país. Além disso, foram inúmeros destaques esportivos do Time Brasil no Rio 2016. As três medalhas de Isaquias Queiroz, algo inédito na história olímpica brasileira, o primeiro ouro do boxe e do futebol masculino, a medalha do tiro esportivo depois de quase 100 anos, entre outros.
Outro ponto positivo da campanha brasileira nesta edição olímpica foi o aumento de 49% de participações em finais olímpicas em relação a Londres 2012. Foram 71 finais no Rio de Janeiro e 36 nos Jogos passados. Além disso, o Time Brasil ficou em 4º ou 5º lugares em 24 disputas de 13 modalidades.
O Brasil realizou o melhor trabalho de preparação de uma delegação em Jogos Olímpicos e isso possibilitou o melhor resultado da história do país. Esse trabalho e investimento seguirão repercutindo em resultados no próximo ciclo.




"O aumento expressivo de modalidades medalhistas, número de finais e semifinais no Rio 2016 mostram a evolução do esporte brasileiro, assim como o número de medalhas conquistadas no evento. Na nossa concepção, uma potência olímpica está no Top 10 do quadro geral de medalhas e conquista medalhas em mais de 10 modalidades. Conquistamos medalhas em 12 modalidades e chegamos muito próximo do Top 10. O COB trabalha para que o Brasil seja uma potência olímpica e estamos no caminho certo", afirmou Marcus Vinícius Freire, diretor executivo de Esportes do COB.




O COB implementou um Plano Estratégico em 2009, quando o Brasil conquistou o direito de sediar os Jogos Olímpicos. Ainda no ciclo olímpico passado, o COB preparou, com a ajuda das Confederações Brasileiras Olímpicas, um guia para o desenvolvimento sustentável de todas as modalidades olímpicas.




Dentro do planejamento estratégico do COB, um dos pilares da preparação do Time Brasil para os Jogos Rio 2016 foi a preparação técnica, física e mental e a estruturação esportiva das equipes brasileiras, a partir de sete ações básicas: suporte para treinamentos e competições; utilização das Ciências do Esporte; apoio a atletas e aos técnicos brasileiros; disponibilização de serviços médicos e fisioterapêuticos; aquisição de equipamentos esportivos; contratação de técnicos estrangeiros; e monitoramento de resultados internacionais. 
A participação de treinadores qualificados no processo de preparação de atletas e equipes é condição fundamental para o sucesso de uma campanha em competições como Campeonatos Mundiais, Jogos Olímpicos e Jogos Pan-americanos. Por essa razão, a valorização dos treinadores, brasileiros ou estrangeiros, foi um dos pilares estratégicos do COB neste ciclo olímpico.




Durante o ciclo, cerca de 55 técnicos estrangeiros trabalharam com as equipes brasileiras, através de recursos da Lei Agnelo/Piva, e muitos deles foram responsáveis pelos bons resultados brasileiros nos Jogos. O brasileiro Torben Grael (vela), o espanhol Jesús Morlán (canoagem), a japonesa Yuko Fuji (judô), o croata Ratko Rudic (polo aquático) e o técnico de ginástica artística Alexander Alexandrov (Rússia) são contratados diretamente pelo COB e cedidos às Confederações, atuando nas equipes olímpicas do Brasil.
Dos oito atletas participantes do Projeto Vivência Olímpica Londres 2012 que estiveram no Rio 2016, quatro conquistaram medalhas: Thiago Braz, Martine Grael, Felipe Wu e Isaquias Queiroz (3). Os outros quatro (Hugo Calderano, Rebeca Andrade, Bernardo Oliveira e Lais Nunes) tiveram bons desempenhos na competição. A bem-sucedida experiência do Vivência Olímpica de Londres foi repetida no Rio de Janeiro.


O COB proporcionou a 20 atletas com potencial de participação nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020 para antecipar sua experiência olímpica. A rotina dos atletas incluiu acompanhamento dos treinos e das competições de sua modalidade, visita à Vila Olímpica e ao Espaço Time Brasil, entre outras atividades. Para selecionar os atletas, o COB e as Confederações identificaram jovens com histórico de resultados nas categorias de base, em alguns casos já na categoria adulta, e com potencial de evolução até os Jogos Olímpicos Tóquio 2020.




O projeto foi voltado apenas para atletas de modalidades individuais ou em dupla e que nunca participaram de Jogos Olímpicos.
Em conjunto com as Confederações Brasileiras Olímpicas, o COB definirá a meta para os próximos Jogos Olímpicos, em Tóquio 2020. Contudo, o COB já tem um plano há dois anos chamado 20/24, coordenado por Sebastian Pereira, gerente de Performance Esportiva, já olhando para Tóquio. "Além desses meninos e meninas que já foram identificados e vivenciaram o clima olímpico, nós iremos observar bem essa geração que irá competir nos Jogos Olímpicos da Juventude Buenos Aires 2018 para que os destaques tenham o suporte necessário para chegar a Tóquio 20”, disse Sebastian Pereira. Aqui no Rio 2016 tivemos cerca de 70% de atletas estreantes que serão a base da participação brasileira em Tóquio", completou Sebastian.




A realização dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro deixará uma série de benefícios para o esporte nacional. "O Brasil tem hoje profissionais muito qualificados, em todos os setores do esporte. Treinadores, gestores, cientistas, médicos, psicólogos,  fisioterapeutas, etc. Firmamos o conceito de equipes multidisciplinares, indispensáveis para condução do esporte de alta performance. A movimentação natural, em torno de um ciclo olímpico, desenvolvido dentro do país, deu uma visibilidade inédita às 42 modalidades do programa dos Jogos. Foram sete anos de investimentos, que proporcionaram a construção de centros de treinamento e instalações esportivas espalhadas por todo o país", analisou Jorge Bichara, gerente geral de Performance Esportiva.  




O custo aproximado da Missão Brasileira nos Jogos Olímpicos Rio 2016 foi de R$ 15 milhões. O valor investido pelo COB no esporte de alto rendimento neste ciclo olímpico foi de aproximadamente R$ 700 milhões, oriundos principalmente da Lei Agnelo/Piva (recursos oriundos das Loterias Federais). Para a gerente de Planejamento Esportivo do COB, Adriana Behar, é importante que os investimentos no esporte sejam mantidos. "Finalizados os Jogos, vamos nos reunir com as Confederações, avaliar o resultado do trabalho e a partir daí desenhar o planejamento para Tóquio 2020. Devemos lembrar que entrarão novas cinco novas modalidades no próximo ciclo olímpico, o que exigirá uma nova distribuição de recursos da Lei Agnelo/Piva. De qualquer forma, é importantíssimo que investimentos do Ministério do Esporte como o Bolsa Atleta e o Bolsa Pódio sejam mantidos. Esse apoio trouxe maior tranquilidade para os atletas treinarem, e a expectativa de todos é que sejam mantidos para Tóquio 2020", explicou.




Confira abaixo os medalhistas olímpicos do Time Brasil nos Jogos Rio 2016:
Ouro: Thiago Braz (atletismo – salto com vara), Robson Conceição (boxe), Alisson e Bruno Schmidt (vôlei de praia), Rafaela Silva (judô), Kahena Kunze e Martine Grael (vela – 49er FX), Seleção masculina de futebol e seleção masculina de vôlei. 
Prata: Isaquias Queiroz (canoagem velocidade – C1 1000), Isaquias Queiroz e Erlon Souza (canoagem velocidade C2 1000), Arthur Zanetti (ginástica artística – argolas), Diego Hipólito (ginástica artística – solo), Felipe Wu (tiro esportivo – pistola de ar 10m) e Agatha e Barbara (vôlei de praia).
Bronze: Isaquias Queiroz (C1 200), Arthur Nory (ginástica artística – solo), Rafael Silva (judô - acima de 100kg) e Poliana Okimoto (maratona aquática), Mayra Aguiar (judô – até 78kg) e Maicon Siqueira (taekwondo – mais de 80kg).
Resultado de imagem para comite olimpico brasileiro 2016