Pular para o conteúdo principal

Poliana Okimoto ganha bronze na maratona aquática, a 1ª medalha olímpica da natação feminina do Brasil


Resultado de imagem para poliana okimoto rio 2016
RIO DE JANEIRO (Reuters) - A brasileira Poliana Okimoto conquistou nesta segunda-feira medalha de bronze na maratona aquática dos Jogos do Rio de Janeiro, em resultado histórico, por se tratar do primeiro pódio olímpico da natação feminina do Brasil.
Poliana terminou a prova na praia de Copacabana na quarta colocação, mas foi beneficiada pela desclassificação da francesa Aurelie Muller, que havia terminado em segundo, mas foi eliminada por se apoiar em uma adversária na chegada da prova.
"No início você não acredita, parece que demora a cair a fica. Eu dediquei tantos anos para a natação, sem falsa modéstia, eu mereci muito essa medalha, eu construí essa medalha em cada dia, em cada treino. Foi muito merecido", disse a nadadora, emocionada, após a cerimônia de premiação.
Campeã mundial em 2013 na maratona de 10km, a brasileira de 33 anos estava entre as primeiras colocadas na parte final da prova, mas acabou sendo superada por Muller e pela italiana Rachele Bruni por pouco tempo de diferença. A medalha de ouro ficou com a holandesa Sharon van Rouwendaal.
Poliana terminou a prova em 1h56min51s4, enquanto Bruni fez 1h56min49s5 e van Rouwendaal 1h56min32s1.
"A gente lutou 13 anos em busca desse sonho e espero agora que o pessoal procure conhecer a história da Poliana, uma história muito bonita, de dedicação e comprometimento. Ela é um exemplo para todos os atletas brasileiros", disse o técnico e marido da atleta, Ricardo Cintra.
A Rio 2016 foi a terceira Olimpíada de Poliana. Em Londres 2012, ela teve que desistir da prova da maratona aquática por causa de uma hipotermia.
Em 2006, ela se tornou a primeira brasileira a conquistar medalha em um evento de longa distância em campeonatos mundiais ao levar duas pratas em Nápoles, na Itália.
A outra representante do país na prova, Ana Marcela Cunha, foi a 10ª colocada. Entre as brasileiras, Ana Marcela era considerada com potencial maior de conquistar medalha, após ser terceira colocada no Mundial de 2015 na maratona de 10 km.
(Por Tatiana Ramil)
Resultado de imagem para reuters logo

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.