Pular para o conteúdo principal

Petrobras, Caixa e BNDES garantirão recursos a Paralimpíada, diz Padilha

Resultado de imagem para paraolimpíadas simbolo

Por Rodrigo Viga Gaier


  RIO DE JANEIRO (Reuters) - Petrobras, Caixa Econômica Federal e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estão entre as cinco estatais que garantirão um aporte de 100 milhões de reais ao Comitê Rio 2016 para a realização dos Jogos Paralímpicos, disse o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.




  Segundo o ministro, a demanda inicial do comitê era por 400 milhões de reais para gastos com transporte, alimentação e hospedagem na Paralimpíada, mas houve uma divisão de responsabilidades. O comitê vai arcar com 150 milhões de reais, o governo federal com 100 milhões de reais e a prefeitura com outros 150 milhões de reais. Os recursos a serem liberados pela prefeitura, no entanto, dependem do sucesso de um recurso a ser movido pelo governo municipal contra uma decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro, que impediu o repasse de recursos por conta da eleição deste ano. Além da Petrobras, da Caixa e do BNDES, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) e a Embratur também participarão do aporte.


  “Isso será feito com a exposição da marca de cada uma das empresas ou com a exploração da marca do evento em favor das empresas. Placa, banner e a exploração de marca”, disse Padilha a jornalistas no Rio de Janeiro. O ministro não quis garantir um aporte adicional de recursos aos Jogos Paralímpicos, caso a prefeitura do Rio de Janeiro não consiga derrubar a decisão do TRE.


De acordo com o tribunal, o gasto não está previsto no orçamento e um repasse em ano de eleição municipal poderia configurar crime eleitoral. O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), informou que a prefeitura vai recorrer da decisão do TRE nessa terça-feira e irá argumentar que a verba não tem conotação eleitoral e que o compromisso da cidade com os Jogos Olímpicos e Paralímpicos estavam previstos desde 2009. A cidade é uma espécie de fiadora dos Jogos e, em caso de prejuízo, os recursos têm que ser bancados pela prefeitura.


Resultado de imagem para reuters logo  

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.