ZH

 

Zero Hora

Últimas notícias

Carregando...

/

ESPORTE PARA TODOS!

 

OUÇA - A VIDA DE WILSON SILVA

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Volei :Brasil vence Grand Prix pela 11ª vez



A seleção brasileira feminina de vôlei é campeã do Grand Prix pela 11ª vez. Na decisão, a equipe do treinador José Roberto Guimarães venceu, neste domingo (10.07), os Estados Unidos, líder do ranking mundial, por 3 sets a 2 (18/25, 25/17, 25/23, 22/25 e 15/9), em 1h56 de jogo, no Huamark Indoor Stadium, em Bangcoc, na Tailândia. A Holanda superou a Rússia por 3 sets a 2 e ficou com a medalha de bronze. Com o resultado, o time verde e amarelo aumentou o número de conquistas em relação a segunda seleção com mais títulos. Enquanto as brasileiras venceram pela décima primeira vez (1994, 1996, 1998, 2004, 2005, 2006, 2008, 2009, 2013, 2014 e 2016), os Estados Unidos, segunda equipe com mais conquistas, têm seis. O Brasil terminou a fase final invicto e perdeu apenas dois sets. Ao longo de toda a edição 2016 do Grand Prix, o time verde e amarelo venceu 11 partidas e foi superado em apenas duas na fase de classificação pela Sérvia e China, respectivamente. A central Fabiana foi a maior pontuadora entre as brasileiras na final, com 18 acertos. A oposta Sheilla e a ponteira Fê Garay, com 14 cada, a central Thaisa e a campeã olímpica Natália, com 12 cada, também pontuaram bem numa distribuição homogênea da levantadora Dani Lins. Apesar da derrota, os Estados Unidos tiveram a maior pontuadora do confronto, a central Akinradewo, com 19 acertos. O treinador José Roberto Guimarães fez uma análise da participação do Brasil no Grand Prix e comentou sobre o duelo contra os Estados Unidos. “A vontade e a disposição que esse grupo apresentou foram fatores muito positivos. Fico feliz pela atitude que esse time teve durante a competição. Quando elas jogam abaixo eu cobro muito e nós somos uma equipe que precisa jogar sempre no limite. Dependemos muito da agressividade do nosso ataque para conseguirmos ter bons resultados. O ataque também direciona o resto dos fundamentos. Esse resultado de 3 sets a 2 contra os Estados Unidos tem um significado de que vai ser muito difícil nos Jogos Olímpicos. Vamos precisar manter essa postura porque as norte-americanas vão vir ainda mais fortes no Rio. Estamos no caminho certo, mas como falei ontem é daí para cima”, analisou José Roberto Guimarães, que no final do terceiro set foi o responsável por pedir o desafio que selou a vitória brasileira na parcial. Eleita a segunda melhor central da competição, a bicampeã olímpica Thaisa parabenizou o grupo pelo resultado e lembrou da importância de seguir evoluindo até os Jogos Olímpicos. “Foi bom, porém sabemos que ainda temos muito o que melhorar. Os Jogos Olímpicos são uma outra competição e é outra história Estou feliz, mas não satisfeita. O Grand Prix foi importante porque ganhamos confiança. Hoje saímos atrás na partida contra os Estados Unidos e conseguirmos virar. Isso fortalece o grupo, mas sabemos que ainda precisamos evoluir”, disse Thaisa. Desembarque O time verde e amarelo desembarcará no Brasil no voo EK261 (Emirates) às 16h30 desta segunda-feira (11.07) no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

  O JOGO  - O set começou equilibrado e os Estados Unidos foram para a primeira parada técnica com um de vantagem (8/7). Quando as norte-americanas fizeram 10/7, o treinador José Roberto Guimarães pediu tempo. Os Estados Unidos se destacavam no saque e abriram cinco pontos (14/9). A equipe do treinador Karch Kiraly seguiu melhor, fez 19/14 e o técnico José Roberto Guimarães voltou a parar o jogo. Os Estados Unidos seguiram melhores e venceram o primeiro set por 25/18. O treinador José Roberto Guimarães trocou as ponteiras no início da segunda parcial. Entrou Jaqueline e saiu Fê Garay. Bem no bloqueio, os Estados Unidos fizeram 7/5. As brasileiras cresceram de produção e viraram o marcador (8/7). Com um ace da central Thaisa, o time verde e amarelo fez 11/9. O Brasil foi para o segundo tempo técnico com três de vantagem (16/13). A ponteira Jaqueline se destacava e as brasileiras fizeram 17/14. O Brasil foi melhor na parte final da parcial e levou a melhor no segundo set por 25/17. Os Estados Unidos voltaram melhores para o segundo set e fizeram 6/4. O volume de jogo das brasileiras passou a dificultar o jogo das norte-americanas e a equipe verde e amarelo fez quatro pontos seguidos (8/6). Quando o Brasil fez 14/11 foi a vez do técnico norte-americano, Karch Kiraly, pedir tempo. Mesmo com a paralisação, as brasileiras foram para o segundo tempo técnico com quatro de vantagem (16/12). O Brasil segurou uma reação dos Estados Unidos e venceu o terceiro set por 25/23, depois do treinador José Roberto Guimarães usar o recurso do desafio que apontou toque no bloqueio em um ataque da central Thaisa. O Brasil começou melhor no quarto set e fez 8/7. Os Estados Unidos abriram dois pontos (10/8) e o treinador José Roberto Guimarães pediu tempo. O volume de jogo das brasileiras voltou a aparecer e o Brasil empatou (12/12). Numa bola rápida da central Thaisa, o time verde e amarelo abriu dois pontos (15/13). O final da parcial foi disputado ponto a ponto. Os Estados Unidos aproveitaram os erros do Brasil no final da parcial e venceram o quarto set por 25/22. As brasileiras começaram melhores no tie-break e fizeram 5/3. Com um ponto de bloqueio, o time verde e amarelo abriu três pontos (8/5). Neste momento, o treinador norte-americano pediu tempo. O bloqueio das brasileiras incomodava as americanas e o Brasil aumentou a diferença no placar para cinco pontos (10/5). O Brasil segurou a diferença até o final e venceu o set por 15/9 e o jogo por 3 sets a 2. Seleção do Grand Prix O Brasil ainda teve outros motivos para comemorar neste domingo. A ponteira Natália foi eleita a melhor jogadora da competição, a central Thaisa, a segunda melhor jogadora da sua posição, e a atacante Sheilla, a melhor ponteira. Natália analisou a participação do Brasil no Grand Prix e ressaltou a força do grupo na conquista. “Estou muito feliz pelo nosso grupo. Começamos o Grand Prix de uma maneira e terminamos de outra. A nossa atitude dentro de quadra mudou e hoje estamos mais agressivas. Treinamos muito para alcançarmos esse resultado. Nosso primeiro objetivo do ano foi alcançado, mas ainda temos um maior pela frente que são os Jogos Olímpicos”, disse Natália que ainda falou sobre a premiação de MVP do Grand Prix. “Esse prêmio individual me deixa feliz por estar podendo ajudar ao time e isso é o mais importante. Ainda tenho muito o que melhorar e vou seguir trabalhando forte para isso”, afirmou Natália.

  SELEÇÃO DO GRAND PRIX :
Natália Pereira (Brasil) Melhor levantadora: Nootsara Tomkom (Tailândia) Melhor ponteira: Sheilla Castro (Brasil) 2ª melhor ponteira: Kimberly Hill (Estados Unidos) Melhor central: Rachael Adams (Estados Unidos) 2ª melhor central: Thaisa Menezes (Brasil) Melhor oposto: Lonneke Slöetjes (Holanda) Melhor líbero: Li Lin (China) EQUIPES: BRASIL – Dani Lins, Sheilla, Natália, Fê Garay, Thaisa e Fabiana. Líbero – Léia Entraram – Gabi, Roberta, Mari Paraíba e Jaqueline Técnico – José Roberto Guimarães ESTADOS UNIDOS – Glass, Murphy, Larson, Hill, Akinradewo e Adams. Líbero – Banwarth Entraram – Lloyd, Robinson e Lowe Técnico – Karch Kiraly

  Jogos do Brasil no Grand Prix 
Rio de Janeiro (Brasil) 09.06 (Quinta-feira) – Brasil 3 x 1 Itália (23/25, 25/15, 25/15 e 27/25) 10.06 (Sexta-feira) – Brasil 3 x 0 Japão (25/20, 25/23 e 25/15) 12.06 (Domingo) – Brasil 3 x 0 Sérvia (25/20, 25/18 e 25/18) Macau (China) 17.06 (Sexta-feira) – Brasil 2 x 3 Sérvia (25/16, 31/29, 19/25, 19/25 e 16/18) 18.05 (Sábado) – Brasil 3 x 1 Bélgica (23/25, 25/19, 25/15 e 25/18) 19.05 (Domingo) – Brasil 0 x 3 China (23/25, 16/25 e 20/25) Ancara (Turquia) 24.06 (Sexta-feira) – Brasil 3 x 1
Itália (24/26, 25/22, 25/13 e 25/22) 25.06 (Sábado) – Brasil 3 x 1 Bélgica (13/25, 25/19, 25/16 e 25/18) 26.06 (Domingo) – Brasil 3 x 0 Turquia (25/14, 25/21 e 25/19) Fase Final – Bangcoc (Tailândia) 06.07 (Quarta-feira) – Brasil 3 x 0 Tailândia (26/24, 25/16 e 25/11) 07.07 (Quinta-feira) – Brasil 3 x 0 Rússia (25/22, 25/10 e 25/21)

  Semifinal 09.07 (Sábado) – Brasil 3 x 0 Holanda (25/18, 25/16 e 25/23) Final 10.07

 (Domingo) – Brasil 3 x 2 Estados Unidos (18/25, 25/17, 25/23, 22/25 e 15/9)

  AS CAMPEÃS # 1 FABIANA MARCELINO CLAUDINO (FABIANA) Meio de rede - 1,93m – 76 kg - 24/01/85 - Naturalidade: Belo Horizonte (MG) # 1 JUCIELY CRISTINA SILVA (JUCIELY) Meio de rede - 1,84m – 71 kg - 18/12/80 - Naturalidade: João Monlevade (MG) # 3 DANIELLE RODRIGUES LINS (DANI LINS) Levantadora – 68 kg – 1,81m – 05/01/85 – Naturalidade: Recife (PE) # 5 ADENÍZIA APARECIDA DA SILVA (ADENÍZIA) Meio de rede – 1,86m – 64 kg – 18/12/86 – Naturalidade: Ibiaí (MG) # 6 THAÍSA DAHER DE MENEZES (THAÍSA) Meio de rede - 1,96m – 79 kg – 15/05/87 - Naturalidade: Rio de Janeiro (RJ) # 8 JAQUELINE PEREIRA DE CARVALHO (JAQUELINE) Ponteira - 1,86m – 70kg – 31/12/1983 - Naturalidade: Recife (PE) # 9 ROBERTA DA SILVA RATZKE (ROBERTA) Levantadora - 1,85m – 68kg – 28/04/1990 - Naturalidade: Curitiba (PR) # 10 GABRIELA BRAGA GUIMARÃES (GABI) Ponteira – 59 kg – 1,76m – 02/08/1994 – Naturalidade: Belo Horizonte (MG) # 11 TANDARA ALVES CAIXETA (TANDARA) Oposto - 1,84m – 87kg – 30/10/88 - Naturalidade: Brasília (DF) #12 NATÁLIA ZILIO PEREIRA (NATÁLIA) Ponteira - 1,83m - 76kg - 25/04/1989 - Naturalidade: Ponta Grossa (PR) # 13 SHEILLA TAVARES CASTRO (SHEILLA) Oposto - 1,85m – 64 kg - 01/07/83 - Naturalidade: Belo Horizonte (MG) # 16 FERNANDA RODRIGUES GARAY (FÊ GARAY) Ponta – 1,79m – 74 kg – 10/05/86 – Naturalidade: Porto Alegre (RS) # 18 CAMILA DE PAULA BRAIT (CAMILA BRAIT) Líbero – 61 kg – 1,70m - 20/10/88 - Naturalidade: Frutal (MG) #19 LÉIA HENRIQUE DA SILVA (LÉIA) Líbero - 58 kg - 1,69m - 03/01/1985 - Naturalidade: Ibitinga (SP) #25 MARIANA ANDRADE COSTA (MARI PARAÍBA) Ponta – 74 kg – 30/07/1986 – Naturalidade: Campinas Grande (PB) # NAIANE DE ALMEIDA RIOS (NAIANE) Levantadora – 65 kg – 27/07/1994 – Naturalidade: Belém (PA) COMISSÃO TÉCNICA
  Chefe da delegação: Júlia Silva Técnico: José Roberto Guimarães Auxiliares: Paulo Coco e Cláudio Pinheiro Preparadores físicos: José Elias Proença e Fábio Correia Médico: Júlio Nardelli Fisioterapeuta: Alexandre Lopes Ramos e Fernando Fernandes Estatístico: Marco Antonio Di Bonifácio e Wendel Ramos

 O Banco do Brasil é patrocinador oficial do voleibol brasileiro.