ZH

 

Zero Hora

Últimas notícias

Carregando...

/

ESPORTE PARA TODOS!

 

OUÇA - A VIDA DE WILSON SILVA

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Você Sabia? Cianorte tem réplica gigante do troféu Jules Rimet

Há décadas Cianorte conta com uma caixa d'água , num local da antiga esplanada que servia de pátio da RFF , Rede ferrea Federal , na foto é possivel ver a caixa d'água que está as margens da Avenida América muito próxima da Estação Rodoviária de Cianorte , num espaço utilizado como  Centro de Eventos muito utilizado no período do aniversário da Capital do Vestuário . Todo esse preâmbulo acima pra dizer que a arquitetura da tal caixa d'água é uma réplica gigante da taça Julles Rimet
- A Taça Jules Rimet foi o nome que recebeu o troféu confeccionado para premiar definitivamente a seleção vencedora de três Copa do Mundo da FIFA.Somando os mundiais de 58 , 62 e 70 , o Brasil conquistou sus posse definitiva Conquistando o Mundial de 1970 no México. 

  A taça que foi roubada duas vezes 

A Inglaterra iria sediar o Mundial de Futebol de 1966. A Taça Jules Rimet foi então colocada em exposição no Center Hall de Westminster, em Londres, junto a uma exposição filatélica. Apesar da intensa vigilância, o troféu desapareceu, em 20 de março de 1966. O caso imediatamente ganhou o noticiário internacional. 

 A Scotland Yard seguia às cegas, sem pistas do paradeiro do troféu, ou ainda de seu ladrão. Um suspeito foi preso, mas este nunca confessou a ação. Foi então que no dia 27 de março, um senhor de nome David Corbett passeava com seu cão Pickles numa praça do Sul da capital inglesa quando este, farejando um arbusto, localizou o valioso troféu, enrolado por jornais.

 Após o Brasil ter conquistado a posse definitiva do troféu, o mesmo passou a ser exibido na sede da Confederação Brasileira de Futebol. A incúria para com o troféu fez com que uma réplica fosse trancada num cofre, enquanto a taça original ficasse exposta, sem muita segurança. 

 Em 20 de dezembro de 1983 o troféu foi roubado, e alguns dias depois a imprensa noticiava, com assombro, que o mais importante símbolo das conquistas futebolísticas do Brasil havia sido derretido.



                                          por JB Miotto