Pular para o conteúdo principal

Plano de segurança da Olimpíada do Rio será revisado após ataque em Nice

Photo
BRASÍLIA/RIO DE JANEIRO (Reuters) - O plano de segurança da Olimpíada do Rio de Janeiro subiu de patamar e será revisado depois do atentado ocorrido na França, em que um caminhão foi usado para matar mais de 80 pessoas, afirmou nesta sexta-feira o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Sérgio Etchegoyen.
"Já estamos, os três órgãos e os três ministros da área de segurança, fazendo a revisão de todo o nosso plano de segurança para que possamos identificar eventuais lacunas e fazer uma integração mais intensa", disse.
De acordo com o general, é possível que seja necessário "sacrificar o conforto pela segurança" com a adoção de medidas como o aumento de revistas, barreiras e interdição de ruas no Rio de Janeiro durante os Jogos de agosto.
O atentado na cidade francesa de Nice, em que um franco-tunisiano jogou um caminhão em cima de centenas de pessoas que assistiam aos fogos do Dia da Bastilha, está sendo tratado como um ponto de inflexão na análise da segurança dos Jogos, segundo Etchegoyen, uma vez que não foram usados explosivos ou armas, mas um veículo. 
"A segurança dos Jogos subiu de patamar", afirmou, acrescentando que o caso exige "uma série de revisões e uma série de novas providências" para garantir a segurança do evento.
O presidente interino, Michel Temer, antecipou sua volta de São Paulo a Brasília e marcou uma reunião para a tarde desta sexta-feira com ministros para tratar do assunto após o atentado na França.
Segundo o general, que participou da reunião, foi feito um relato a Temer sobre todo o planejamento de segurança. A ideia, explicou Etchegoyen, é fazer uma verificação final para identificar lacunas até a próxima segunda-feira, quando deve haver uma nova reunião.
"Seria uma monumental irresponsabilidade se não revisássemos o que estamos fazendo", disse após o encontro com o presidente, ao ser questionado sobre a possibilidade de haver falhas no esquema de segurança a pouco tempo dos Jogos Olímpicos.

O general afirmou ainda que pode haver o anúncio de medidas na próxima semana sobre o tema.   
Resultado de imagem para reuters logo

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.