Pular para o conteúdo principal

GOAL: Diego Tardelli está de volta ao Brasil, mas não para ficar

Atacante é liberado pelo Shandong Luneng e viaja ao país para descansar. Empresários decidem o destino do atleta, que inaugura bistrô em BH na segunda-feira (25)
De acordo com reportagem do site GOAL Diego Tardelli fez as malas e deixou a cidade de Jinan, na China, nesta quinta-feira (21), rumo ao Brasil. Embora tenha trazido a maioria de seus pertences, o retorno é temporário. Não é desta vez que o atacante firmará acordo com um clube do país. Preterido pelo Shandong Luneng com as chegadas de Graziano Pellè e Papiss Cissé, ele foi liberado pela diretoria para encontrar um destino, conforme apurado pela China in Goal. 

 Enquanto não há definição sobre o novo clube, o jogador volta ao Brasil com o intuito de descansar ao lado da esposa Linda Vanessa e dos filhos Pietra (8) e Dieguinho (5). Os agentes do atacante, Giuliano Bertolucci e Beto Fedato, são os responsáveis por analisar as propostas vindas do exterior. O mundo árabe, onde já defendeu o Al-Gharafa, é o destino mais cotado.

O certo é que, antes do fechamento da janela de transferências internacional do Brasil, Diego Tardelli recebeu ofertas para retornar ao país em definitivo. Atlético-MG, Corinthians e São Paulo tentaram a contratação do jogador. O atleta, contudo, só aceitaria jogar no local em caso de manutenção do salário. Ele recebe 4 milhões de euros (R$ 14,4 milhões na cotação atual) anuais, o que supera R$ 1 milhão por mês. 

O seu vínculo com os asiáticos e encerra em janeiro de 2019. Na próxima segunda-feira (25), o ídolo do Atlético-MG inaugurará em Belo Horizonte o badalado bistrô Paris 6, conhecido por ter sedes em São Paulo e no Rio de Janeiro. Ainda não há confirmação, mas é possível que ele e o sócio Isaac Azar, dono da rede, estejam na capital mineira para a abertura do local.

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Brasileirão Série A - Confira os jogos em andamento

O time do Alto da Bica - A foto que virou saudade

O time do Alto da Bica surgiu, consultando minha memória, ali pelos anos 90 e pouco, coincidindo com o início da era Parmalat. Isso talvez explique os meninos - que acompanham os craques - tão bem vestidos. A sede fica na margem da rodovia Cianorte – São Tomé, logo após o ribeirão São Tomé, num trecho conhecido como Bica, por isso o nome: Alto da Bica.

Frequentado por cianortenses ilustres congrega em sua maioria os palmeirenses - também consultando minha memória, e o Avanti -. Nesta foto, em 98, vemos o elenco pronto para mais uma vitória; vou fazer a escalação e pedir mil perdões se errar o nome de alguém, pois embora conhecendo pela fisionomia posso me confundir na denominação. De pé, da esquerda para a direita: Miguel Deneka, Flávio Vieira, Cometa, Gaúcho, Jácomo e Zezé; agachados, na mesma ordem: Antônio Rogério, Maurício, Nilo, Deíca e Spagola...

Por Marco Antônio de Paula Franco