Coritiba exige teto retrátil em todos os projetos para novo estádio

Projeto de novo estádio para o local do Couto Pereira tem teto móvel | Divulgação
Há um ponto em comum entre os seis projetos de novo estádio para o Coritiba: teto retrátil. Por exigência da diretoria, todas as opções para uma eventual nova casa do clube seguem a linha da Arena da Baixada, do rival Atlético, única arena da América do Sul com tal recurso.  “Não se pode fazer um estádio sem o teto retrátil hoje em dia. A principal captação de dinheiro de uma arena são os eventos. 

São projetos que nós apresentamos ao Coritiba para o clube ter um dos melhores estádios do Brasil”, afirma o arquiteto Frederico Carstens, sócio diretor da Realiza Arquitetura, responsável por quatro projetos apresentados pelo clube ao Conselho Deliberativo na última segunda-feira (25).

O prazo para a definição por parte dos conselheiros é de 60 dias, segundo o vice-presidente Alceni Guerra. “Foi uma apresentação longa e todos ficaram muito atentos aos projetos. O pessoal recebeu muito bem. Mas são eles que votam e decidem a aprovação”, disse o cartola. No pacote de projetos apresentados pela empresa também há um boulevard, com centro comercial, gastronômico e cultural. “Estamos fazendo parcerias com outros escritórios de arquitetura que trabalharam nos estádios da Copa do Mundo, até para detectarmos o que deu certo e o que foi feito de errado para não repetirmos. 

Nossas propostas são tecnicamente e economicamente viáveis”, afirma Carstens. Entre os estádios usados como comparativo estão a Arena Corinthians, em São Paulo, a Arena das Dunas, em Natal, e o Mané Garrincha, em Brasília. Os outros dois estudos de estádio foram feitos pela Bacoccini Arquitetura – a reportagem entrou em contato com a empresa, mas não obteve resposta. Entre os projetos encomendados pelo Coxa, existem três opções diferentes de local. As alternativas seriam a reforma ou a demolição para construção de um novo Couto Pereira, um estádio no Pinheirão, ou uma arena no bairro Cidade Industrial de Curitiba (CIC). 

 Já a viabilidade financeira seria conseguida através de um fundo de investimento imobiliário. O clube seria o sócio majoritário e ficaria com 51% das ações. Já os investidores com 49%. “O fundo imobiliário é a forma mais segura de construir um estádio por ser regulado pela CVM [Comissão de Valores Mobiliários do Ministério da Fazenda]”, explica Guerra. 

 O clube faria um pronunciamento oficial sobre o assunto na terça-feira (26), mas adiou a entrevista coletiva. 
A explicação é a agenda cheia do presidente Rogério Bacellar

 Publicado no site do Gazeta do Povo
Resultado de imagem para gazeta do povo

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"