Pular para o conteúdo principal

VIDEO : Copa de 1978 : Brasil 0x0 Argentina

Sem derrotas na Copa, consolo da seleção brasileira é 'título moral' na Argentina
VIDEO :

Sem derrotas na Copa, consolo da seleção brasileira é 'título moral' na Argentina 

A preparação brasileira para a Copa de 1978 foi conturbada, assim como nas competições anteriores. O time começou as eliminatórias com Osvaldo Brandão no comando, mas ele foi substituído por Cláudio Coutinho após o empate em 0 a 0 com a Colômbia. Com Coutinho à frente, a equipe não teve problemas para se classificar. Venceu quatro e empatou um dos jogos restantes, marcando 17 gols e sofrendo apenas 1. 

O Brasil viajou para a Argentina com uma equipe cheia de craques - do goleiro Leão - um dos melhores do mundo - ao craque Zico e ao artilheiro Roberto Dinamite. No entanto, a seleção estava prejudicada por diversas contusões e pela falta de conjunto. Na primeira fase, estreou com um 1 a 1 diante da Suécia (gol de Reinaldo), ficou no 0 a 0 com a Espanha e, precisando derrotar a Áustria para se classificar, venceu apenas por 1 a 0. Na fase semifinal, o desempenho brasileiro melhorou sensivelmente. Já era outro time contra o Peru, jogo que venceu por 3 a 0, com gols de Zico e Dirceu (dois). 

O confronto seguinte foi o mais difícil do Brasil na Copa, contra a arquirrival Argentina. Disputada e violenta, a partida ficou no 0 a 0. Na última rodada da semifinal, contra a Polônia, o time fez mais uma boa apresentação. Nelinho abriu o placar para os brasileiros, mas Lato, artilheiro da Copa anterior, empatou. Na etapa final, Roberto Dinamite marcou duas vezes e garantiu a vitória por 3 a 1. Apesar dos bons resultados, o Brasil não se classificou para a decisão.

 A Argentina fez 6 a 0 no Peru (em jogo que ficou sob a suspeita de ter sido "arranjado") e ficou com a vaga graças ao saldo de gols. Restou a decisão do terceiro lugar contra a Itália, e o Brasil ganhou de virada, por 2 a 1, terminando a Copa invicto. 

O técnico Cláudio Coutinho, então, cunhou uma expressão que até hoje serve para definir o desempenho brasileiro naquele mundial: "somos os campeões morais", disse, em referência à controversa e inesperada goleada sofrida pelo Peru diante da Argentina, que eliminou o Brasil da disputa pelo título.

  Conteúdo : UOL

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.