Pular para o conteúdo principal

Basquete: Magnano chama14 atletas para seleção olímpica do Brasil

A seleção masculina de basquete foi convocada hoje (10) para os Jogos Olímpicos Rio 2016, pelo técnico argentino Rubén Magnano, que divulgou uma lista de 14 atletas, entre os quais o ala Leandrinho e o pivô Anderson Varejão, que disputam a final da NBA – a liga de basquete dos Estados Unidos – pelo time do Golden State Warriors. Dois jogadores pediram dispensa para jogar a pré-temporada norte-americana .

A lista completa conta com os armadores Marcelinho Huertas, Raulzinho, Larry Taylor e Rafael Luz; os alas Alex, Benite, Marquinhos e Leandrinho; e os pivôs Anderson Varejão, Nenê, Vitor Faverani, Augusto Lima, Guilherme Giovannoni e Rafael Hettsheimeir. 

 A apresentação da equipe está prevista para o dia 24 de junho. Até o início dos jogos, Magnano terá tempo de observar cada atleta antes de fazer dois cortes e fechar um grupo com 12 jogadores para jogar em quadras cariocas. Após divulgar a relação de convocados, o treinador comentou sobre o grupo do Brasil nos jogos. A seleção da casa está no chamado “grupo da morte” e enfrentará adversários de peso no esporte. O torneio de basquete na Olimpíada divide 12 times em dois grupos. 

O Brasil está no grupo B, com Argentina, Espanha, Lituânia e Nigéria. A vaga restante no grupo será preenchida por uma das seleções classificadas no Pré-Olímpico Mundial, que será disputado no início de julho. A Espanha é a atual campeã europeia; a Lituânia, vice-campeã europeia; e a Argentina, campeã olímpica em 2004 e maior rival do Brasil na América Latina. 

 Estão fora da lista os pivôs Cristiano Felício, do Chicago Bulls, e Lucas Bebê, do Toronto Raptors. Segundo Magnano, os dois pediram para ficar fora da convocação, para poder atuar na liga de verão da NBA, uma espécie de pré-temporada norte-americana. 

O treinador brasileiro mostrou-se frustrado, mas declarou respeito à decisão dos atletas. “Como sempre falo, respeito muito a decisão do atleta. São decisões pessoais. Mas entender não significa aceitar. Infelizmente não vamos contar com eles. Eles preferem jogar a Summer League do que estar nessa convocação. 

Vejo uma incompatibilidade, mas respeito”. Em seu perfil em uma rede social, Felício explicou a escolha. Ele afirmou ter tomado uma decisão “muito difícil”, mas preferiu disputar a liga de verão para poder se firmar no time dos Bulls, onde teve poucas oportunidades ao longo da sua primeira temporada na NBA, mas se destacou nos últimos jogos. 

 “Foi uma decisão muito difícil, a mais difícil que tomei em toda a minha vida. […] Sei da importância, do que significa vestir a camisa do meu país, mas tenho a consciência de que tenho que trabalhar ainda mais duro, me dedicar e evoluir para conquistar o meu espaço, pensar no meu futuro. Infelizmente, aconteceu tudo ao mesmo tempo”. 

 Edição: Jorge Wamburg
Resultado de imagem para EBC ESPORTES

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 já é realidade e as expectativas de medalhas brasileiras são grandes. No nado sincronizado, entretanto, a esperança é de uma quebra de tabu, já que desde que foi incluído no programa olímpico, em Los Angeles 1984, a modalidade nunca viu uma brasileira no pódio. Para que o sonho se torne realidade, a equipe já treinava intensamente no Centro Aquático Maria Lenk, antes mesmo do início da Rio 2016, casa do nado, saltos ornamentais e polo aquático. 

As provas do nado sincronizado começam só no dia 14 de agosto, mas as brasileiras já estão na arena aquática do Rio (as provas de natação acontecerão em outro local) para entrar no clima olímpico e se familiarizar ainda mais com o local. "A gente está "super feliz" por ter vindo mais cedo e já ter começado a sentir o clima dos Jogos. 

Treinávamos aqui, mas agora o clima é diferente. Além de estar mais bonito, brincamos que já tem cheiro de olimpíada. Os países ainda estão começando a chegar. O ambiente …

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

07/08/2016 22:05 A seleção brasileira masculina de hóquei sobre grama disputou o seu segundo compromisso no torneio dos Jogos Olímpicos Rio 2016 neste domingo, 8 de agosto, no Centro Olímpico de Hóquei, no Complexo de Deodoro. Ao enfrentar a forte Bélgica, a seleção brasileira foi derrotada pelo placar de 12 a 0. O Brasil passou a somar duas derrotas em duas partidas, já que perdeu na estreia para a Espanha por 5 a 0. Na próxima rodada, terça-feira, 9 de agosto, os brasileiros voltam a campo para encarar a Grã-Bretanha. Encarando um time muito competitivo, os atletas brasileiros conseguiram manter o jogo equilibrado até o fim do primeiro quarto – de um total de quatro quartos, de 15 minutos cada –, quando a Bélgica marcou seus dois primeiros gols. A partir daí, a equipe brasileira sucumbiu à superioridade belga, ameaçando o gol adversário apenas em lances esporádicos. Com o domínio absoluto da partida, a Bélgica foi ampliando até chegar ao placar final de 12 a 0. "Pela primeira vez …

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)