ZH

 

Zero Hora

Últimas notícias

Carregando...

/

ESPORTE PARA TODOS!

 

OUÇA - A VIDA DE WILSON SILVA

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Heleno , o filme e a vida real



Este filme estreou em: 30 de Março de 2012
Heleno de Freitas é a figura do Rio de Janeiro de 1940, quando a cidade era cheia de glamour, sonho e promessas. Primeiro galã do futebol, Heleno defendia o Botafogo e tinha tudo para ser o maior jogador do Brasil. No entanto, a guerra mundial da época e a libertinagem que guiava sua vida mudaram seu brilhante destino, abandonado em um sanatório e vítima da sífilis aos 39 anos de idade.
                             
VIDEO:


Craque, gênio e polêmico. O mineiro Heleno de Freitas foi um dos maiores ídolos do Botafogo e um dos melhores jogadores de todos os tempos do futebol brasileiro, mas nem assim ficou milionário e acabou morrendo em 1959, no dia 08 de novembro, abandonado na casa de saúde São Sebastião, em Barbacena-MG, onde estava internado desde 1954 devido a problemas mentais.

Heleno de Freitas nasceu em 1920 em São João Nepomuceno, Minas Gerais. Começou nos juvenis do Fluminense.

Nervoso em campo e boêmio fora dele, Heleno se irritava com o apelido que ganhou: Gilda (personagem da atriz americana Rita Hayworth). Por não suportar a dor da derrota, chegou muitas vezes a discutir com os próprios companheiros, em suma, um profissional com alma de amador. Marcou 204 gols pelo Fogão em 233 jogos. Além do Botafogo, clube que defendeu de 1945 a 1948 e 1950, o centroavante atuou pelo Vasco (1949), Boca Juniors, da Argentina(1951), América do Rio (1951), Atletico Barranquilla (1951 e 52) e Santos (1953). Na carreira, disputou 186 jogos oficiais.

Na sua brilhante e agitada trajetória, também marcada por diversas expulsões e confusões em campo, Heleno conquistou apenas um título: o Carioca de 1949. Pela seleção brasileira marcou 15 gols e ao todo, na carreira, fez 265.

Em 1940, o jogador galã pegou suas malas e foi desfilar seu futebol, e seu charme, no Boca Juniors. Logo na estreia, no dia 6 de junho, o centroavante marcou dois na vitória por 3 a 0 contra o Banfield. A passagem pelo time de Buenos Aires durou apenas seis mese. Foram 17 jogos e 7 gols.

Um de seus últimos clubes como atleta profissional foi o Santos, onde desembarcou em 1952, trazido pelo então dirigente Orlando Monteiro Neto. Porém, a estadia do mineiro foi relâmpago: apenas alguns treinos na Vila Belmiro, problemas com colegas e um grande desentendimento com Aymoré Moreira, técnico do time, foram suficientes para sua partida da Baixada.

Heleno passou os últimos anos de vida internado em um sanatório. Confira alguns relatos da agonia do ex-centroavnate que brilhou no futebol e morreu esquecido. Trechos retirados do livro "Nunca Houve um Homem como Heleno", escrito pelo jornalista Marcos Eduardo Neves e publicado pela editora Ediouro.

"Nas dependências da casa da saúde, Heleno tornara-se agressivo, xingava as pessoas à toa. Um dos enfermeiros contaria que, num acesso de demência, chegou a botar quatro cigarros acesos na boca e dois nas narinas. Passou a rasgar as próprias roupas e volta e meia anda nu pela casa.

...Em seus últimos dias, Heleno esteve mudo e afástico. Tudo era melancolia, silêncio, tristeza. Agonizava. Suas unhas tornavam-se roxas, em sinal preventivo de que a morte se aproximava. A linguagem do olhar, a mais sincera das linguagens, por seu estado profundo e humano, revela sua dor, sendo todos, ao seu lado, impotentes para reanimá-lo.

...Na manhã de 8 de novembro de 1959, um domingo como tantos em que Heleno encantou platéias, o enfermeiro foi levar-lhe o café da manhã e o encontrou morto. Após quatro anos, dez meses e 25 dias de tratamento, os médicos constataram o óbito, aos 39 anos, por paralisia progressiva."

O saudoso jornalista botafoguense, Armando Nogueira, escreveu uma coluna sobre Heleno no dia 11 de novembro de 1970. O texto foi publicado pelo Jornal do Brasil.

"... Heleno de Freitas, o craque das mais belas expressões corporais que conheci nos estádios, morreu, sem gestos, de paralisia progressiva, e descansa, hoje, no cemitério de São João Nepomuceno, onde nasceu um dia para jogar a prórpia vida num match sem intervalo entre a glória e a desgraça".

O internauta José Eustáquio, sobre o jogador, escreveu o seguinte em relação a sua passagem pelo América, que defendeu em 1951.

"A única vez que o Heleno jogou no Maracanã foi pelo América no dia 4 de novembro de 1951, em um jogo em que o Diabo perdeu para o São Cristóvão por 3 x 1, pelo Campeonato Carioca. Naquele dia, foi expulso ainda no primeiro tempo. O Mecão entrou em campo com Osni, Rubens, Osmar, Ivan, Osvaldinho e Godofredo. Natalino, Dimas, Heleno de Freitas, Ranulfo e Jorginho".

Brasil Brasil

Brasil Botafogo
  • Torneio Inicio: 1947
  • Campeonato Carioca de Aspirantes: 1944 e 1945
  • Campeonato Carioca de Amadores: 1944, 1943 e 1944
  • Copa Burgos: 16 de fevereiro de 1941 – 7 x 4 España (MEX)
  • Taça Prefeito Dr. Durval Neves da Rocha: 15 de janeiro de 1942 – 3 x 1 Bahia
Brasil Vasco da Gama
Brasil Santos
  • Taça Santos: 1952
  • Torneio FPF: 1952
  • Quadrangular de Belo Horizonte: 1951