Pular para o conteúdo principal

Colombia vence EUA e o pódio da Copa América Centenário é da CONMEBOL

A Colômbia ficou neste sábado com o terceiro lugar na Copa América Centenário, após o jogo que venceu os anfitriões Estados Unidos, no certame que espera a grande final domingo entre Argentina e Chile, em Nova Iorque.
A seleção cafeteira alcançou o terceiro degrau do pódio pela quarta vez em uma Copa América, enquanto os Estados Unidos não conseguiram bater o sua melhor marca em uma competição continental, após a quarta colocação no  Uruguai de 1995.
Sem grandes obrigações para ambos, o encontro no estádio da Universidade de Phoenix, em Glendale (Arizona) foi divertido, com emoções em ambas as áreas e muito bem quente no final, quando foram expulsos o colombiano Santiago Arias e o local Michael Orozco.
Mas foi o atacante colombiano Carlos Bacca, que selou o resultado aos 31 minutos, na sequência de um passe do craque James Rodriguez.
Esta é a ficha técnica do jogo entre os EUA e a Colômbia pelo terceiro lugar da Copa América Centenário disputado sábado, no estádio da Universide de Phoenix, em Glendale (Arizona):

Copa América Centenário - 
Partida pela terceira colocação
  • Estados Unidos 0-1 Colômbia (parcial 0-1)

Estádio: Universidad de Phoenix (Glendale, oeste)
Clima: estádio coberto (22º C). Campo: muito bom
Público: 30.000 espectadores
Arbitro: Daniel Fedorczuk (Uruguai). Linhas: Richard Trinidad (Uruguai) e Luis Sánchez (Venezuela)
Gol: Carlos Bacca - Colômbia (31')
Admoestados:
Colômbia: Jeison Murillo (13), Juan Cuadrado (73)
Estados Unidos: Matt Besler (22), Jermaine Jones (41)
Expulsos:
Colômbia: Santiago Arias (90+3)
Estados Unidos: Michael Orozco (90+3) 
Formações:
Colombia: David Ospina - Santiago Arias, Christian Zapata, Jeison Murillo, Frank Fabra - Juan Cuadrado (Marlos Moreno 73), Guillermo Celis (Stefan Medina, 87), Daniel Torres, Edwin Cardona - James Rodríguez e Carlos Bacca (Roger Martínez, 79). DT: José Pekerman.
Estados Unidos: Tim Howard - DeAndré Yedlin, Michael Orozco, Geoff Cameron, Matt Besler - Alejandro Bedoya (Christian Pulisic, 73), Michael Bradley (Darlington Nagbe, 78), Jemaine Jones - Bobby Wood, Clint Dempsey e Gyasi Zardes. DT: Jürgen Klinsmann.
Resultado de imagem para conmebol 100 anos

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.