ZH

 

Zero Hora

Últimas notícias

Carregando...

/

ESPORTE PARA TODOS!

 

OUÇA - A VIDA DE WILSON SILVA

sábado, 25 de junho de 2016

Agora é oficial: Santos abre negociação para repatriar Alex

De férias em Santos, Alex tem usado as dependências do CT Rei Pelé para um tratamento particular e, desde então, começaram os rumores sobre um possível retorno do zagueiro bicampeão Brasileiro em 2002 e 2004 com a camisa do Peixe. Agora, no entanto, as conversas são oficiais e não apenas informais, como disse o presidente Modesto Roma Júnior na quarta-feira, após o jogo com o Fluminense.
Dagoberto Santos, superintendente de futebol do clube, está negociando pessoalmente com o defensor, que tem contrato com o Milan, da Itália, apenas até o dia 30. Após isso, Alex estará livre para decidir onde dará sequência a sua carreira. Se optar por retornar ao clube que o revelou para o mundo, o defensor já sabe que terá de abrir mão de seu salário de aproximadamente R$ 1 milhão.
“Interessa! Tem identidade com o clube. Seria um reforço importante, desde que se enquadre na folha salarial do clube”, explicou o dirigente, ressaltando que o Santos não pretende abrir uma exceção e pagar um salário superior a R$ 200 mil mensais ao ídolo.
“Estou conversando com ele. Estamos evoluindo. Pode ser que surja alguma coisa. Ele tem consciência que não vai ganhar aqui a mesma coisa que ganhava lá fora. Ele tem essa realidade. Está no momento da vida dele, sabe que é importante morar em santos com a família. Isso o atrai profundamente. Mas, claro, ele tem um valor mínimo que ele deseja receber. Essa é a negociação que estamos travando”, contou Dagoberto.
Diferente do que já fez em outros casos, como o de Robinho, desta vez o Peixe não irá buscar nenhum tipo de investidor para contratar Alex. O recado é claro. O clube o quer de volta, mas não abrirá mão de sua política orçamentária para realizar o sonho de muitos torcedores.
Além disso, Dagoberto reiterou a postura de Modesto Roma Júnior de que o clube precisa e deve se desfazer de alguns atletas para desinchar o elenco e fazer caixa sem a necessidade de vender suas principais estrelas. “O ideal é trabalhar com elenco de 32, 33 jogadores. (Esses atletas) poderiam ser emprestados. Alguns precisam jogar. Não tem lista de dispensa. Precisa tomar cuidado. Se tiver proposta, vamos analisar”, concluiu Dagoberto Santos.