VIDEO : Ali x Frazier: lições de uma trilogia

Ali contra Frazier, 28 de janeiro de 1974, Madison Square Garden, em Nova York



Ao contrário do que muitos imaginam , quando garoto meu esporte preferido era o boxe e nesse artigo destaco dois "gigantes" do boxe.Muhammad Ali,  e Joe Frazier.
Em tempo de UFC, de banalização de superlativos, todos os combates são o combate do século. Nenhum deles se compara, em brutalidade, técnica e história, à magistral trilogia de lutas entre Muhammad Ali, o maior de todos (e neste caso qualquer superlativo é frágil), e Joe Frazier, falecido em novembro do ano passado, aos 67 anos, de câncer no fígado. 


Convém deixar de lado o segundo encontro, em janeiro de 1974, porque naquela ocasião nenhum dos dois tinha o cinturão de ouro e disputava-se apenas o título americano. Foi um combate morno, se é que o boxe permite falta de calor. O primeiro e o terceiro confronto, no entanto, são tão indissociáveis do início dos anos 70 do século passado quanto a Guerra do Vietnã e o escândalo de Watergate. 
Para o jornalista David Remnick, editor da revista The New Yorker, especialista em boxe, "apesar de toda dimensão psicológica e racial do desafio Ali-Frazier nos anos 70, hoje vejo as lutas de um modo puramente isolado, um embate de força interior, capacidade atlética e vontade." Toda grande noite do UFC, mãos e pés em jogo, tendo o marketing como trilha sonora, parece um desajeitado encontro de namorados quando cotejado com Ali-Frazier I e Ali Frazier-III. Na primeira luta, em 8 de março de 1971, "a luta do século", como a chamou a imprensa naquele tempo, o vitorioso foi Frazier, por pontos. Ele defendia o cetro mundial da categoria peso-pesado e o manteve. No décimo-quinto assalto, desferiu aquele que talvez seja o mais violento, animalesco e assustador golpe de boxe que se tem notícia, sobretudo porque levou à lona Muhammad Ali, desacostumado a cair. 
O gancho de esquerda de Frazier soou no Madison Square Garden de Nova York como o avanço de um Walker Bulldog M-41 a serviço dos vietnamitas. Ali se ergueu, atordoado e desenxabido, aos olhos de milhões pela televisão e de milhares no ginásio. Entre eles, os azuis de Frank Sinatra, que não conseguira ingresso e pediu à direção da revista LIFE para trabalhar como fotógrafo. As fotos (boas) de Sinatra estamparam a capa da publicação na semana seguinte.
Resultado de imagem para revista veja PNG LOGO

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"