O que foi a Democracia Corintiana?


Foi o nome dado pelo publicitário Washington Olivetto ao período em que os jogadores do Corinthians participavam das decisões do clube. De 1981 a 1985, tudo era resolvido pelo voto, das contratações ao local de concentração. O movimento existiu graças ao encontro das pessoas certas no momento propício. A campanha de 1981 foi uma das piores da história. 

O time terminou na 26ª posição no Brasileiro e, no Paulista, amargou um oitavo lugar que o rebaixou para a segunda divisão do Brasileiro de 1982 - na época, os estaduais determinavam a classificação para o campeonato nacional. Em abril, o clube elegeu Waldemar Pires como presidente, encerrando o reinado de Vicente Matheus. Pires indicou para a diretoria de futebol o sociólogo Adílson Monteiro Alves, um cartola inexperiente que ouvia os jogadores. Entre eles estavam os politizados Sócrates e Wladimir. Foi aí que começou a revolução. Entre outras medidas, os atletas liberaram os casados da concentração. Em campo, a autogestão rendeu gols. O técnico Mário Travaglini levou o time às semifinais do Brasileiro e faturou o campeonato paulista de 1982. A Democracia começou a minguar em 1984, quando Sócrates foi para a Itália e Casagrande para o São Paulo. Em 1985, Pires tentou eleger Alves como sucessor e foi derrotado. Era o fim. Essa história é contada no livro Democracia Corintiana - A Utopia em Jogo, de Sócrates e Ricardo Gozzi.

  Jogo aberto 

Atletas tinham voz nas decisões do clube, mas alguns, como o ex-goleiro Leão, torciam contra Os vilões O goleiro Leão e o cartola Vicente Matheus foram os principais inimigos da nova filosofia. Leão fechou o gol nas finais do Paulista de 1983, mas saiu com fama de contra-revolucionário. Matheus tumultuou o ambiente para tentar voltar à presidência 

  Os manda-chuvas 

Waldemar Pires descentralizou as decisões da diretoria, nomeando vice-presidentes que assumiram setores específicos do clube. Sérgio Scarpelli, por exemplo, cuidava das finanças e Washington Olivetto respondia pelo marketing. O diretor de futebol Adílson Monteiro Alves foi incumbido de fazer a ponte entre os jogadores e a diretoria 

  Os líderes 

Sócrates, Wladimir e Casagrande preferiam o caderno de política ao de esportes na concentração. Os dois primeiros inventaram a autogestão. Casagrande chegou ao clube quando o movimento já começava a dar os primeiros passos 
  
Os coadjuvantes 

 O bom desempenho de craques como Biro-Biro, Ataliba, Zé Maria, Zenon e Eduardo dentro das quatro linhas foi fundamental para legitimar o movimento. No começo, muitos tinham medo de manifestar suas idéias. Com o tempo, ganharam funções forado gramado O publicitário Washington Olivetto nomeou corintianos famosos, como a cantora Rita Lee e Boni (manda-chuva da TV Globo), para um conselho de notáveis e divulgou o movimento no país inteiro. Era tão apaixonado pelo clube que dispensou o salário.
Resultado de imagem para mundo estranho logo

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"