Fique por dentro :Goleiros que não utilizaram o número 1 nas camisas


Jongbloed em lance da final de 1974

Na Copa do Mundo de 1974, na Alemanha, o goleiro holandês Jongbloed (ao lado), reinaugurou uma moda. Em vez de utilizar o número 1, resolveu estranhamente vestir a camisa de n° 8. E nem a derrota no jogo final contra a anfitriã Alemanha Ocidental desanimou o goleiro.

Quatro anos depois, na Copa da Argentina, Jongbloed voltou a usar a número 8. 
Mas dessa vez teve a companhia do goleiro argentino Ubaldo Fillol, deixando atordoados muitos dos espectadores da decisão, que reuniu holandeses e argentinos. Fillol também resolveu repetir a dose e vestiu a número 7 em 1982, seguindo a regra da seleção argentina que numerava seus jogadores por ordem alfabética. A estranha numeração, porém, não era uma completa inovação. 
 Na Copa do Mundo de 1958, o brasileiro Gilmar dos Santos Neves vestiu a camisa de numero 3. Mas o primeiro goleiro campeão do mundo pelo Brasil não tinha a intenção de ser diferente. A Confederação Brasileira de Desportos (antecessora da CBF), esqueceu-se de relacionar a numeração das camisas e o uruguaio Lorenzo Villizio, do Comitê organizador da FIFA, numerou os jogadores aleatoriamente. Para sorte dos brasileiros, o predestinado Pelé - sempre ele - deu sorte e acabou ficando com a 10.

Campeões do Futebol
Pesquisas de Sidney Barbosa da Silva
Fonte: Arquivo www.campeoesdofutebol.com.br.
Página adicionada em 16 de maio de 2006.

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"