Decacampeonato: série de títulos do Coelho gera polêmica entre historiadores

Campeonato de 1925 foi cancelado após uma assembleia de clubes


Ganhar 10 vezes seguidas o campeonato estadual é privilégio de apenas duas equipes brasileiras. Em Minas Gerais, somente o América conseguiu esse feito, de 1916 a 1925. Se comparado a outros clubes brasileiros, apenas o ABC, de Natal, igualou essa marca com as conquistas do Campeonato Potiguar de 1932 a 1941. Um dos maiores orgulhos da história do América, a conquista do deca foi questionada por alguns estudiosos. A interrogação no título de 1925, para alguns historiadores, ocorre pela falta de definição no campeonato daquele ano. Segundo pesquisadores, o campeonato Mineiro'1925 foi declarado inexistente após a realização de uma assembléia de clubes.

O Coelho teria feito apenas um jogo nessa edição, contra o Atlético, e por ter vencido por 1 a 0 teria se declarado, automaticamente, campeão. Além disso, o certame, até a interrupção, tinha o Sete de Setembro e o Cruzeiro como líderes. Outra curiosidade é que não existia o Regional e o titulo máximo era o de “campeão de Belo Horizonte”, como descreve um levantamento do departamento técnico da Federação Mineira publicado no jornal Estado de Minas de 1931. Para o historiador Raphael Rajão é preciso uma pesquisa detalhada para nomear o campeão mineiro de 1925.

"O campeonato não se concluiu. Eu não consultei os jornais da época. Acho que é preciso uma pesquisa a fundo nos jornais. O América foi declarado campeão. Era o América que liderava até o momento em que ele foi interrompido. Mas é preciso uma pesquisa mais elaborada para definir isso. Era um campeonato organizado pela Liga, mas não era profissional. Mas o fato de ser amador não tira a legitimidade do torneio", disse ao Superesportes. Com opinião diferente, o historiador Carlos Paiva ratifica o título americano por vários motivos. "O campeonato de 1925 durou apenas um jogo porque que os outros clubes desistiram, mas o America não. O Coelho formou um esquadrão para ganhar o campeonato. Inclusive, trouxe jogadores de Seleção Brasileira. Havia atletas como Badú, Sangueira, Villa, Pequitoti e o zagueiro Telefone, que veio do Flamengo, mas não queria ser chamado por esse apelido. A qualidade do América fez com que os outros desistissem. Tanto que não houve vice-campeão em 1925. Todos os clubes redigiram um documento declarando o América como campeão", afirmou Paiva, que analisou os jogos de abertura da edição daquele ano. "Na primeira rodada desse campeonato de 25, Palestra (Cruzeiro) e Sete de Setembro jogaram.

O América atuou apenas na segunda rodada e venceu o Atlético por 4 a 1. Todos achavam que o Atlético era o único time que poderia tirar o título alviverde e ficaram assustados com o placar. Porque foi 4 a 1, mas poderia ter sido 8, já que os jogadores do América brincaram dentro de campo. Para se ter uma ideia, a Seleção Mineira daquele ano, que disputava o campeonato interestadual, tinha 10 jogadores do América. O time de Minas goleou a equipe Fluminense (carioca) na estreia por 6 a 1. Ou seja, o América venceu por 6 a 1", completou. Independentemente da polêmica, os anos anteriores foram de glória absoluta do Alviverde. Com exceção ao primeiro Mineiro da história, em 1915, que teve a taça erguida pelo Galo, os nove anos posteriores foram de hegemonia verde.

 O primeiro triunfo regional do América foi na edição de 1916. Na ocasião, o Coelho superou o Galo na decisão. Nos dois anos seguintes, o América venceu o Atlético nas finais até se tornar tricampeão. O torneio de 1919 teve uma final inédita, entre América e Yale, e consagrou a quarta conquista do Coelho. Em 1920, o Guarany, de Belo Horizonte, foi derrota pelo Alviverde na final. Atlético, em 1921, e Cruzeiro, então Palestra Itália, em 1922, foram as vítimas do América nas decisões dos respectivos anos. O octacampeonato veio diante do time estrelado, em 1923. Assim como fez contra o Atlético, nos três primeiros títulos, no Mineiro de 1924, o Coelho venceu a Raposa na terceira vez em que se enfrentaram na luta pela taça. Somadas as conquistas do deca e dos campeonatos de 1948, 1957, 1971, 1993 e de 2001, o Coelho tem 15 títulos estaduais no currículo.

  Superesportes

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"