ZH

 

Zero Hora

Últimas notícias

Carregando...

/

ESPORTE PARA TODOS!

 

OUÇA - A VIDA DE WILSON SILVA

sábado, 14 de maio de 2016

Após escândalos, verbas de patrocínio da CBF caem pela 1ª vez em 10 anos




Era maio de 2015 quando foi deflagrada a maior investigação sobre corrupção no futebol. Comandada pelo FBI, ela levou diversos dirigentes da alta cúpula da Fifa para a prisão, entre eles estava José Maria Marin, ex-presidente da CBF. No mesmo ano, com cada vez mais denúncias surgindo, a entidade máxima do futebol brasileiro sentiu no bolso as consequências do escândalo. O balanço financeiro de 2015 da CBF mostrou que sua arrecadação com patrocínio caiu pela primeira vez desde 2006, apesar de ter fechado o ano com receita geral recorde. 

 Depois de ter atingido faturamentos recordes com a Copa do Mundo de 2014 – um aumento de cerca de 26% do lucro, atingindo a marca dos R$ 88 milhões –, a CBF não teve um ano de 2015 tão prolífico. De acordo com Amir Somoggi, especialista em marketing e gestão esportiva, a entidade viu as suas receitas com patrocínio terem uma queda de 6%. O envolvimento direto nos escândalos de corrupção da Fifa parece ser o principal motivo que gerou o afastamento de algumas empresas da CBF. Dos seus últimos três presidentes eleitos, José Maria Marin está em prisão domiciliar, em Nova Iorque, aguardando o julgamento do seu caso, enquanto Ricardo Teixeira, presidente da entidade de 1989 até 2012, e Marco Polo Del Nero, atual mandatário, foram acusados pelo FBI de corrupção.“Ela não teve nenhum outro motivo para ter essa queda com patrocínios. O impacto ainda não foi tão alto, pode ser maior para o futuro”, alertou Somoggi em contato com a Gazeta Esportiva. Um ponto polêmico no balanço financeiro da entidade é a forma como ela divide os seus gastos. 

Despesas com questões administrativas e pessoais atingiram R$ 190 milhões em 2015, enquanto as com futebol foram de R$ 226 milhões. A classificação da CBF do que são “custos diretos com futebol” é alvo de debate. Além dos custos com seleções, com as Séries A, B, C e D e com a Copa do Brasil de futebol feminino, a entidade inclui como “gastos diretos com futebol” o dinheiro designado, entre outros, para a contribuição ao fomento no futebol aos Estados, e para os órgãos e departamentos de apoio. Na análise de Somoggi, os custos diretos da CBF com o esporte seriam de R$ 162 milhões, ao invés dos R$ 226 milhões divulgados – cerca de 30% a menos. 

 “Até o ano passado, o balanço da CBF era diferente. Os números mostravam que ela desembolsava muito mais dinheiro com ela mesma do que com o futebol. Sem entrar no mérito se ela gasta bem ou mal, o papel dela é gastar com o esporte e não com altos salários. Por conta disso, eles querem bater muito na tecla que eles gastam muito mais com futebol do que com o pessoal. Despesas com federações, por exemplo, eu considero como administrativas”, esclareceu Amir Somoggi. 

 Apesar de a evolução da receita de 2014 para 2015 ter sido de apenas 3%, o pior desempenho desde 2007, a entidade continua operando no superávit de forma muito confortável. Acumulando lucros desde 2007, mesmo com a queda no patrocínio, a CBF apresentou a maior receita da sua história (R$ 556 milhões) no ano passado. A pujança econômica dela contrasta com a escassez dos clubes. Nos balanços das finanças das agremiações brasileiras de 2015, a dívida dos clubes superou a casa dos R$ 6 bilhões, segundo número de Amir Somoggi. A dívida sozinha do Botafogo, líder no ranking de devedores, supera todo o lucro acumulado pela CBF, chegando na casa de R$ 731,1 milhões.

 “Os gastos com as Séries A, B, C e D (R$ 55 milhões) são muito baixos, se compararmos com os designados ao pessoal (R$ 190 milhões). São os números que comprovam o clichê: clubes pobres e CBF rica”, concluiu Somoggi para a Gazeta Esportiva. A reportagem tentou entrar em contato com a CBF, mas não obteve resposta até o fechamento desta reportagem. 

  *Especial para a Gazeta Esportiva
Resultado de imagem para footstats