Pular para o conteúdo principal

VIDEO : 7X1 , O replay do "Complexo de vira latas"

Minha tese desse jogo é a seguinte:

"Quando vi o Sami Khedira marcar um dos sete gols da Alemanha , já imaginei o vexame , pois o  Khedira , imaginava eu , nunca fez um gol na vida - nem em treino. Já o Oscar , com o "gol de honra" corrobora a minha tese de que a Alemanha era uma seleção que marcava  muito mal , sendo assim se o Neymar estivesse em campo , acredito num placar de 7x5 ou até 7x6 , pois a Alemanha não teria toda a facilidade que teve ao colocar o Brasil literalmente "na roda "A Alemanha teria que trazer um  ou outro jogador  para exercer a marcação no Neymar - tirando lhe a liberdade que teve em ter Kroos , Khedira e Schürrle com liberdade para suprir Klose , e Müller com assistências muito bem feitas e com extrema liberdade. Com o Neymar em campo  , o treinador Joachim Löw teria por obrigação compor um sistema defensivo no meio campo  avançando uma linha de três ou quatro jogadores , dificultando a facilidade que os alemães tiveram para armar as jogadas que culminaram em gols."
O  nosso maior "fiasco" futebolistico era ter perdido o título da Copa de 1950 , mas  esse "complexo de vira latas" foi potencializado e ressuscitado  no  dia 08 de julho de 2014 
 ... O que estava em jogo: uma vaga na final da Copa do Mundo da FIFA de 2014. 
 Local: Estádio do Mineirão, Belo Horizonte (MG), Brasil. 
 Juiz: Marco Rodriguez (MEX) 
 Público: 58.141 pessoas 
 
         VIDEO/ BAND SPORTS
VIDEO :
 Os Times: 
Brasil: Júlio César; Maicon, David Luiz, Dante e Marcelo; Luiz Gustavo, Fernandinho (Paulinho, intervalo) e Oscar; Hulk (Ramires, intervalo), Bernard e Fred (Willian, aos 23´do 2º T). Técnico: Luiz Felipe Scolari 

 Alemanha: Neuer; Lahm, Boateng, Hummels (Mertesacker, intervalo) e Höwedes; Schweinsteiger, Khedira (Draxler, aos 31´do 2º T), Kroos e Özil; Thomas Müller e Klose (Schürrle, aos 12´do 2º T). Técnico: Joachim Löw. Placar: Brasil 1×7 Alemanha 

(Gols: Müller-ALE, aos 11´, Klose-ALE, aos 23´, Kroos-ALE, 24´e aos 26´, e Khedira-ALE, aos 29´do 1º T; Schürrle-ALE, aos 24´e aos 34´, e Oscar-BRA, aos 45´do 2º T.)
 PESQUISA : IMORTAIS DO FUTEBOL
PS - "Complexo de vira-lata" é uma expressão criada pelo dramaturgo e escritor brasileiro Nelson Rodrigues, a qual originalmente se referia ao trauma sofrido pelos brasileiros em 1950, quando a Seleção Brasileira foi derrotada pela Seleção Uruguaia de Futebol na final da Copa do Mundo em pleno Maracanã. O Brasil só teria se recuperado do choque (ao menos no campo futebolístico) em 1958, quando ganhou a Copa do Mundo pela primeira vez.

Para Rodrigues, o fenômeno não se limitava somente ao campo futebolístico. Segundo ele:

Por "complexo de vira-lata" entendo eu a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo. O brasileiro é um narciso às avessas, que cospe na própria imagem. Eis a verdade: não encontramos pretextos pessoais ou históricos para a autoestima.
— Nelson Rodrigues
A expressão complexo de vira-lata (traduzida para "the mongrel complex") foi recuperada em 2004 pelo jornalista estadunidense Larry Rohter, que em matéria para o The New York Times sobre o programa nuclear brasileiro, escreveu:

Escrevendo nos anos 1950, o dramaturgo Nelson Rodrigues viu seus compatriotas afligidos por um senso de inferioridade, e cunhou a frase que os brasileiros hoje usam para descrevê-lo: "o complexo de vira-lata". O Brasil sempre aspirou a ser levado a sério como uma potência mundial pelos pesos-pesados, e portanto dói nos brasileiros que líderes mundiais possam confundir seu país com a Bolivia, como Ronald Reagan fez uma vez, ou que desconsiderem uma nação tão grande - tem 180 milhões de pessoas - como "não sendo um país sério", como Charles de Gaulle fez.
O Brasil estaria assim, desejoso de ser reconhecido como igual no concerto das nações, mas tropeçaria sucessivamente em sua baixa auto-estima, reforçada pelos incidentes folclóricos acima relatados e outros do mesmo gênero ("a capital do Brasil é Buenos Aires", "os brasileiros falam espanhol" etc) sucessivamente cometidos pela mídia e autoridades estrangeiras.
Pesquisa por Magno Moreira 22/05/2016 atualizado as 17:21h

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.