Pular para o conteúdo principal

O futebol cianortense do C.A.F.E ao Leão do Vale


O primeiro time de futebol de Cianorte foi o C.A.F.E. O nome não apenas referia-se apenas à cultura cafeeira: era uma sigla de Cianorte Associação Física e Educativa. Sua fundação ocorreu em 1958 e o seu fundador foi o jornalista Amândio Mathias.
O CAFE disputou o Campeonato Paranaense de Futebol em 1965, 1969, 1970 e 1972, quando foi rebaixado. A queda para a segunda divisão revoltou o jogador Rubens, que pôs fogo na sede social do clube, causando o encerramento das atividades da equipe. Seu uniforme era alvi-verde e possuia fervorosa torcida. Na estréia como time profissional, perdeu para o Grêmio Esportivo de Maringá por 4 x 0, numa época em que o Grêmio de Maringá era o campeão paranaense.

Na estréia da chave especial, o CAFE perdeu para o então Coritiba por 7x0. Mas sempre conseguia manter partidas memoráveis. Jogou amistosamente contra o Palmeiras (perdendo por 3x4) de Ademir da Guia e Djalma Santos (último jogo do Bi-Campeão Mundial pelo Palmeiras) e também contra o SANTOS (perdeu de 0x3) de Afonsinho e companhia.
  Retorno: Cianorte Esporte Clube Mais de duas décadas se passaram até que o futebol profissional retornasse à cidade do Noroeste do estado, hoje com Oitenta mil habitantes. Em 1993, surgiu o Cianorte Esporte Clube. O alviverde, que nunca disputou a primeira divisão, deu lugar em 2002 ao Cianorte Futebol Clube.
Resultado de imagem para leao do vale cianorte
  Enfim, surge o Leão do Vale Em 2003, com o segundo lugar no Campeonato Paranaense da Série A-1, a Segunda Divisão, ganhou vaga para a Série Ouro. O jogo que colocou Cianorte na primeira divisão após 21 anos foi memorável. O gol da vitória sobre o Dois Vizinhos, por 1 x 0, aconteceu somente aos 48 minutos do segundo tempo, depois que o atacante Barbieri cobrou uma falta.
O gol de Barbieri foi um dos últimos do Cianorte Futebol Clube com o uniforme verde e branco.
No final de 2003, as cores do Leão do Vale foram mudadas para azul, vermelho e branco. Estreando entre os grandes do futebol paranaense, o Cianorte fez bonito em 2004: ficou em terceiro lugar no Campeonato Paranaense de Futebol de 2004, atrás somente do campeão Coritiba e do vice Atlético. A colocação valeu ao Leão do Vale o simbólico título de "Campeão do Interior" e uma vaga na Copa do Brasil de Futebol de 2005.
Resultado de imagem para wikipedia logo

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.