Pular para o conteúdo principal

Lio Evaristo “esconde” o time titular e lamenta o confronto com o Cianorte

“Nem nós e nem eles queriam esse confronto agora, é uma pena porque são equipes de tradição na região, equipes que estão preparadas para buscar o acesso”, afirmou Lio Evaristo.


 O técnico Lio Evaristo não conseguiu repetir a mesma formação do Atlético de Paranavaí nos últimos jogos, embora a formação lançada no último domingo foi uma opção para avaliar outros atletas do elenco. Para o importante confronto contra o Cianorte, no sábado à tarde, Evaristo tem a possibilidade de colocar aquilo que tem de melhor na sua avaliação. Mas o treinador ainda não anunciou quem vai entrar jogando no primeiro jogo do mata-mata das oitavas-de-final do Paranaense da 2ª Divisão. 

“Tenho 22 para escolher os 11 melhores, é o que vamos tentar fazer para ter um resultado positivo diante do Cianorte”, disse Evaristo. Jogadores que estavam suspensos ou em recuperação estão à disposição do treinador, por isso a indefinição sobre o “onze titular”. Aliás, as opções de agora são um contraste com o início do campeonato, quando o técnico tinha poucos jogadores, com dificuldade até mesmo para a formação do banco de reservas. “O adversário não ficará sabendo antecipadamente qual time devemos colocar. Vamos evitar anunciar, eles estão atentos ao que estamos fazendo aqui e nós atentos ao que ocorre lá. 

Não que isso ganhe jogo, mas se a gente puder dar uma segurada, algumas alternativas que estamos criando para vencer o jogo, vamos tentar segurar”, explicou o treinador atleticano. A perda de nove pontos pelo Vermelhinho possibilitou o confronto contra o Cianorte. Não fosse a punição pelo TJD-PR, o Cianorte (1º colocado na 1ª fase) enfrentaria o Cascavel (8º).

 O time de Paranavaí seria o terceiro colocado, então teria de enfrentar o Andraus. O Cianorte, líder geral, pode ser o mais prejudicado com esta situação caso venha a ser eliminado neste mata-mata. “É jogo difícil. Infelizmente as coisas foram desviando do nosso alcance. Nem nós e nem eles queriam esse confronto agora, é uma pena porque são equipes de tradição na região, equipes que estão preparadas para buscar o acesso. Infelizmente uma ficará de fora”, frisou o treinador da equipe de Paranavaí.
Diario do Noroeste

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.