Conheça a história do brasileiro que foi um dos melhores enxadristas do planeta


Henrique Costa Mecking, mais conhecido como Mequinho, é o maior enxadrista brasileiro de todos os tempos. Em 2012, seguia morando em Taubaté e não abandonou os tabuleiros: ainda estuda e participa de eventos e competições. Mequinho nasceu no dia 23 de janeiro de 1952 em Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, e aprendeu a jogar xadrez com apenas quatro anos de idade. Aos sete já disputava com adultos e, aos 13, obteve o primeiro título nacional. Considerado um fenômeno, chegou a lotar o Maracanã de torcedores disputando o campeonato sul-americano. Venceu os torneios internacionais de Petrópolis (1973) e de Manila (1976). Conseqüentemente, teve a chance de disputar por duas vezes o Torneio de Candidatos, mas foi eliminado em ambas pelos adversários Viktor Korchnoi (1974) e Lev Polugaevsky (1977).

Viveu o melhor momento de sua carreira em 1977, quando conquistou a terceira posição no ranking da FIDE – Federação Internacional de Xadrez, atrás dos russos Anatoly Karpov e Viktor Korchnoi. Um ano depois, porém, uma doença grave o obrigou a afastar-se dos jogos. Mequinho, aos 25 anos, sofreu uma miastenia – mal que ataca os músculos impossibilitando o controle dos movimentos motores. Na época, viajou para diversos cantos do mundo à procura da cura.
Foi quando se mudou do Rio de Janeiro para o interior de São Paulo e conheceu uma freira, a “Tia” Laura, muito conhecida por ajudar doentes a se curarem pela fé, e passou a dedicar todo o seu tempo à religião. Depois de 1979 a doença foi controlada e as crises mais intensas sumiram. Dedicado à igreja, o ex-enxadrista chegou a se formar em teologia, filosofia e até tentou ser padre.





Sonhando recuperar o status de herói nacional, decidiu voltar ao esporte em 2000, mas a doença, embora curada, ainda deixava seus vestígios na forma de cansaço. Envolvido em campeonatos e eventos, Mequinho mantém uma dieta equilibrada, toma remédios e vai sempre à missa.

Por Danielle Nhoque



                                Portal Terceiro tempo Milton Neves

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"