Pular para o conteúdo principal

Com vitória fácil contra o PSTC, Coritiba tem caminho aberto para a final


O Coritiba conseguiu superar seu carrasco e encaminhou com tranquilidade a classificação para a decisão do Paranaense ao derrotar o PSTC por 3 a 0, neste domingo (17), em Cornélio Procópio. Com o resultado, o Coxa pode até perder por dois gols de diferença no Couto Pereira que garante a vaga na final –a partida será no sábado (23), às 16 horas. 

 Se antes do jogo o PSTC era considerado um algoz alviverde – entre os semifinalistas, foi o único que venceu o Coxa na primeira fase –, em campo o caçula da fase final até tentou incomodar, mas não conteve o poder de finalização Alviverde. Atlético sai na frente do Paraná na briga por vaga na finalVeja como foi a partida lance a lance Apesar da ampla vantagem construída, os atletas coxas-brancas tentam conter a euforia, lembrando do poder de reação do PSTC contra o J. Malucelli – nas quartas de final, também foi derrotado por 3 a 0 na ida e reverteu a vantagem em Curitiba. 

“O placar nos dá tranquilidade no jogo de volta, mas temos que ter atenção para não sofrer o revés”, alertou o atacante Leandro. “Demos um bom passo [para a classificação], mas temos mais um jogo para alcançar o objetivo de chegar à decisão”, completou o capitão Ceará. 

 O placar foi construído na base da paciência, com o Coritiba sabendo conter a euforia inicial do PSTC, que quase surpreendeu na boa conclusão de Índio, obrigando o goleiro Elisson a fazer grande defesa aos 9/1.º. Aos poucos, o Coxa se encontrou em campo e teve em Juan o ponto de desequilíbrio para a vitória, participando das jogadas dos três gols. 

Primeiro cobrou o escanteio para Luccas Claro, de cabeça, abrir o placar aos 42/1.º. Depois cobrou a falta que Thiago Lopes, após a falha do goleiro Lucas, ampliou, aos 33/2.º. E por fim, passou da marcação e marcou um belo gol, fechando o placar, aos 42/2.º. “Trabalhamos muito para neste momento decisivo estarmos bem. O time foi bem e fomos merecedores”, resumiu o destaque do jogo. A atuação de Juan rendeu elogios do técnico Gilson Kleina. “É um jogador importante e que está num momento especial, espero que mantenha esse nível por muito tempo porque precisamos dele”, disse . 

Resultado de imagem para gazeta do povo

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.