Após Caixa, Corinthians negocia mais patrocínios e projeta atingir R$ 70 mi

Clube oficializa acordo com banco estatal e receberá R$ 30 milhões pelo espaço master do uniforme por um ano. Regiões vagas da camisa já têm acordo em 'negociação avançada'



Gabriel Carneiro
Após menos de dois meses, o Corinthians voltará a estampar a marca da Caixa Econômica Federal no espaço nobre de seu uniforme a partir deste sábado, data do jogo das quartas de final do Campeonato Paulista, contra o Red Bull Brasil, na Arena. 

O acordo com validade de um ano foi oficializado nesta quarta-feira, e renderá R$ 30 milhões ao clube do Parque São Jorge. A diferença entre o acordo anterior e o novo, apresentado nesta quarta, é que a Caixa perde duas propriedades que detinha no uniforme até fevereiro de 2016, na parte superior das costas e também na barra inferior. Por estes espaços, o Timão já negocia a possibilidade de novos acordos. Um deles, inclusive, já tem negociações avançadas para se concretizar. - A Caixa continua patrocinando a frente da camisa, mas agora temos possibilidade de negociar as costas, mais duas propriedades, com a possibilidade de fazer a camisa do Corinthians ser a mais valiosa do futebol brasileiro. 

Baseado nesse estudo de valorização de marca, traçamos um valor para o planejamento, e esperamos R$ 12 e R$ 6 milhões nas outras propriedades. Para a parte de cima da camisa há uma negociação em estágio bem avançado - revelou Gustavo Herbetta, superintendente de marketing do Corinthians. Hoje, o Timão tem ocupados os seguintes espaços: omoplata (cerca de R$ 7 milhões da WinnerPlay), números (cerca de R$ 4 milhões da TIM), calção (cerca de R$ 3 milhões da Special Dog) e peito (R$ 30 milhões, da Caixa). 

Somados, os patrocínios rendem R$ 44 milhões, mas a expectativa é chegar a R$ 56 milhões já nas próximas semanas, já que o valor estimado para a parte superior das costas da camisa é de R$ 12 milhões. Além destes espaços, restarão a barra inferior traseira (R$ 6 milhões) e as mangas da camisa (R$ 12 milhões). 

O clube espera comercializar todos os espaços, e assim atingir uma arrecadação anual superior a R$ 70 milhões só com as propriedades do uniforme.

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"