Pular para o conteúdo principal

Qual foi o 1° jogador a receber um cartão vermelho em uma Copa do Mundo?



Ao ler a publicação a respeito da primeira substituição da história do futebol mundial, que ocorreu com o russo Viktor Serebrjanikov em 1970 durante a Copa do Mundo, o leitor Rafael Ramon, de Rio Branco/AC, achou bastante interessante o texto e entrou em contato com o site - Futebol uma história para contar através do e-mail futebolhistoria@st-davids.net com a curiosidade de saber quem foi o primeiro jogador a ser expulso na história dos mundiais. 

 Não foi nada fácil lembrar desse fato, pois como ninguém é de ferro alguns detalhes fogem ao alcance de minha memória. Mas eu tinha algumas lembranças de já ter visto e lido sobre o assunto em algum lugar. E como bom curioso que sou andei pesquisando pela internet até que encontrei o jogador "honrado" com o primeiro cartão vermelho. Antes é bom relembrar que a regra dos cartões foi instituída pela FIFA a partir da Copa do Mundo do México, em 1970, conforme já foi relatado no post sobre a primeira substituição de jogador, para criar um símbolo universal para as punições, tendo em vista a diversidade de línguas ao redor do mundo e a dificuldade de compreensão por parte dos jogadores que não possuíam a mesma língua-pátria que a arbitragem. 

 Apesar de ter sido criado em 1970 o cartão vermelho só veio a ser utilizado em uma Copa na edição posterior, realizada na Alemanha Ocidental. E o jogador que teve a honra de receber a primeira expulsão foi o chileno Carlos Caszely na partida diante dos donos da casa, em Berlin, em 14 de junho de 1974, cujo placar terminou em 1 a 0 para os alemães graças a um gol de Paul Breitner aos 18 minutos do 1º tempo. 

A punição foi imposta pelo árbitro turco Dogan Babacan aos 22 minutos do segundo tempo. Para complementar a informação para o amigo internauta vamos falar um pouco da história de Carlos Humberto Caszely Garrido, atacante chileno nascido em 5 de julho de 1950 na cidade de Santiago, capital de seu país. Começou sua carreira no Colo-Colo, uma das mais tradicionais equipes chilenas. Assinou seu primeiro contrato como profissional aos 17 anos no mesmo Colo-Colo e por lá permaneceu por 6 anos. Já como jogador da seleção chilena e com boas apresentações logo chamou a atenção dos espanhóis do Levante, de Valencia, mas teve uma rápida passagem de apenas uma temporada. Em 1974 vestiria a camisa do Espanyol de Barcelona onde disputou 4 campeonatos espanhóis. Em 1978 regressou ao seu país para o clube que o revelou, o Colo-Colo, e que atuou até 1985. Por fim, em 1986, encerrou sua carreira no Barcelona de Guayaquil/EQU. Pela seleção do Chile, Caszely, conhecido também como El Rey del metro cuadrado (O Rei do metro quadrado) por sua marcante presença no espaço da grande área, atuou entre 1969 e 1985 em 49 partidas e marcando 29 gols. Disputou ainda duas Copas do Mundo pela Roja: 1974 e 1982.


 Atualmente, Carlos Caszely é comentarista no Canal 13 do Chile e joga futebol amador se apresentando com o "Colo-Colo 1973", time formado por jogadores que atuavam no clube à época. Espero ter acabado com sua curiosidade, Rafael. Sempre que quiser entrar em contato com o blog fique à vontade! E convido todos os demais leitores a fazerem como o acreano: mandem sugestões, comentem, enviem críticas e suas curiosidades através do nosso e-mail ou do link de comentários logo depois de cada publicação. 

Abaixo, dados e estatísticas do primeiro jogador a tomar banho mais cedo na história das Copas:
* Nome: Carlos Humberto Caszely Garrido
 * Nascimento: 5 de julho de 1950 em Santiago/CHI
 * Posição: atacante
 * Clubes (4): Colo-Colo (1967/73 e 1978/85), Levante/ESP (1973/74), Espanyol/ESP (1974/78) e Barcelona/EQU (1986)
 * Títulos (8): Campeonato Chileno (1970, 1972, 1979, 1981 e 1983) e Copa do Chile (1981, 1982 e 1985).
 * Seleção chilena: 49 jogos e 29 gols entre 1969 e 1985
Futebol: uma história para contar

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 já é realidade e as expectativas de medalhas brasileiras são grandes. No nado sincronizado, entretanto, a esperança é de uma quebra de tabu, já que desde que foi incluído no programa olímpico, em Los Angeles 1984, a modalidade nunca viu uma brasileira no pódio. Para que o sonho se torne realidade, a equipe já treinava intensamente no Centro Aquático Maria Lenk, antes mesmo do início da Rio 2016, casa do nado, saltos ornamentais e polo aquático. 

As provas do nado sincronizado começam só no dia 14 de agosto, mas as brasileiras já estão na arena aquática do Rio (as provas de natação acontecerão em outro local) para entrar no clima olímpico e se familiarizar ainda mais com o local. "A gente está "super feliz" por ter vindo mais cedo e já ter começado a sentir o clima dos Jogos. 

Treinávamos aqui, mas agora o clima é diferente. Além de estar mais bonito, brincamos que já tem cheiro de olimpíada. Os países ainda estão começando a chegar. O ambiente …

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

07/08/2016 22:05 A seleção brasileira masculina de hóquei sobre grama disputou o seu segundo compromisso no torneio dos Jogos Olímpicos Rio 2016 neste domingo, 8 de agosto, no Centro Olímpico de Hóquei, no Complexo de Deodoro. Ao enfrentar a forte Bélgica, a seleção brasileira foi derrotada pelo placar de 12 a 0. O Brasil passou a somar duas derrotas em duas partidas, já que perdeu na estreia para a Espanha por 5 a 0. Na próxima rodada, terça-feira, 9 de agosto, os brasileiros voltam a campo para encarar a Grã-Bretanha. Encarando um time muito competitivo, os atletas brasileiros conseguiram manter o jogo equilibrado até o fim do primeiro quarto – de um total de quatro quartos, de 15 minutos cada –, quando a Bélgica marcou seus dois primeiros gols. A partir daí, a equipe brasileira sucumbiu à superioridade belga, ameaçando o gol adversário apenas em lances esporádicos. Com o domínio absoluto da partida, a Bélgica foi ampliando até chegar ao placar final de 12 a 0. "Pela primeira vez …

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)