Por que o goleiro Gilmar usou o número 3 na Copa de 1958?

Porque a numeração foi atribuída por um funcionário do Comitê Organizador da Copa, que não conhecia muito bem as seleções. Pelo mesmo motivo, outros jogadores usaram números bizarros. 

O ponta-esquerda Zagallo vestia a 7, e o ponta-direita Garrincha estava com a 11, quando o habitual seria o contrário. Mas não é verdade, ao contrário do que se costuma dizer, que Pelé tenha ficado com o número 10 por mera coincidência, num claro sinal de predestinação. Apenas alguns jogadores usaram camisas com números inusitados: a maioria seguia aproximadamente a numeração de praxe.

A numeração das camisas foi um ovo de Colombo que demorou a vingar no futebol. Muitos jogadores eram contra a idéia de usar número nas costas - diziam que ficariam parecidos com presidiários. Em 1933, pela primeira vez foi utilizada numeração nas camisas numa decisão da Copa da Inglaterra, entre Everton e Manchester City. 

Os jogadores do Everton usaram camisas numeradas de 1 a 11, e os do Manchester City, de 12 a 22! Depois, alguém se deu conta de que não havia problema em repetir o número dos dois lados. No futebol brasileiro, a numeração foi implantada em 1947; em copas do mundo, em 1950. Para o Mundial de 1994, nos Estados Unidos, a Fifa obrigou as equipes a colocar o número também na frente das camisas, além do nome nas costas - o que facilita muito a vida de locutores esportivos e fotógrafos ao tentar identificar os jogadores em campo.

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"