Pular para o conteúdo principal

Blatter diz que se sente ‘aliviado’ por não ser mais presidente da Fifa

  •  
  •  
  • ESTADÃO CONTEÚDO

Suspenso do futebol pelos próximos seis anos, Joseph Blatter está “aliviado” de não ser mais o presidente da Fifa. Pelo menos foi isso que o ex-dirigente máximo do futebol afirmou em uma entrevista à agência de notícias The Associated Press, neste sábado, um dia depois de ver o suíço Gianni Infantino ser eleito como seu sucessor. 

 “É um alívio. Havia uma carga sobre mim. Apesar de estar suspenso, eu ainda era o presidente. Agora terminou”, disse Blatter, que daqui a duas semanas vai completar 80 anos e era empregado da Fifa desde 1975. Foram 17 anos como presidente até que, neste sábado, ele finalmente acordou sem ser absolutamente nada no futebol.Durante a semana, a suspensão de Blatter e do francês Michel Platini, presidente da Uefa, foi reduzida de oito para seis anos. Os dois, entretanto, seguiram proibidos de sequer comparecer à eleição da Fifa, que ocorreu na sexta, em Zurique. 

“Ontem (sexta) às 18h01 senti-me agradecido quando elegeram um novo presidente”, contou Blatter. De imediato, fez uma pausa e respirou profundamente. O suíço assistiu à eleição de Infantino pela TV, acompanhado da filha, Corinne, no apartamento dela também em Zurique. Tomavam um vinho branco da região de Valais, na Suíça, onde nasceu. 

 Também de lá veio Gianni Infantino, que, assim como Blatter, foi secretário-geral de uma grande entidade antes de chegar à presidência da Fifa. Se o veterano era o braço direito de João Havelange na Fifa, Infantino, de apenas 45 anos, comandava o dia a dia da Uefa de Michel Platini. 

 “Ele é um homem jovem, potente, tem muita energia, e tenho certeza de que fará um bom trabalho”, considerou Blatter, que formalmente não apoio nenhum candidato nas eleições, mas tinha preferência pelo francês Jerome Champagne. De acordo com o ex-presidente, ele já sabia que Infantino seria eleito quando foi anunciado o resultado da primeira fase da eleição, com vitória do suíço por 88 a 85 sobre o xeque Salman, do Bahrein. “Isso significa que todos iriam com o ganhador para a segunda rodada”. Dito e feito. Infantino ganhou mais 27 votos. Salman, só três. 
Resultado de imagem para gazeta do povo

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.