Pular para o conteúdo principal

Os escoceses e o "futebol arte"



A Escócia abriu sua seleção aos negros bem antes – Foram os escoceses que quebraram a barreira para os negros no futebol internacional.

Ausente das últimas quatro Copas do Mundo, a Escócia ocupa um lugar de pouco destaque no futebol internacional atualmente. A seleção não tem um craque sequer e os grandes clubes locais estão cada vez mais escondidos – o Rangers lutando para voltar à elite, enquanto o Celtic amargou a “dupla eliminação” na Liga dos Campeões. Uma situação que não tem muitas perspectivas de melhora para a região de 5,3 milhões de habitantes. 

O que não deixa de ser um contrassenso. Afinal, se o futebol evoluiu tanto nos últimos 150 anos, deve muito aos escoceses que, revertendo as dificuldades, se tornaram os verdadeiros professores do esporte na virada do século 19 para o 20. A inferioridade física em relação aos ingleses fez os escoceses desenvolverem um estilo de jogo de toque de bola e dribles. 


Os pioneiros do “futebol bonito”, que acabaram revolucionando o esporte na própria Inglaterra, além de deixarem um legado de espetáculo para diversos países, entre eles Brasil, Argentina e Uruguai. Nas próximas linhas, a história de como a Escócia fez com que o “jogo violento” passasse a ser exaltado pela beleza de seus movimentos. O futebol como é conhecido hoje foi regulamentado há 150 anos, em uma taberna de Londres. 

No entanto, chutar uma bola (ou algo parecido, que seja) é esporte bem mais antigo. Os ancestrais ludopédicos vêm de séculos antes e diversas partes do mundo. China Imperial, América Pré-Colombiana, Grécia e Roma estão entre as origens de jogos com fundamentos similares ao do futebol. Mesmo na Inglaterra, a história do esporte pode ser contada de muito antes.

 E, não tão longe daqueles feudos, a Escócia também tinha o seu próprio jeito de jogar. Há 700 anos, o Rei Eduardo II proibiu e criminalizou a prática do jogo de “bolas enormes, das quais muitos males podem surgir e dos quais Deus nos livre”. Era um dos ancestrais do futebol. 



E a decisão do rei inglês, derrotado na Primeira Guerra de Independência da Escócia (quem viu o clássico ‘Coração Valente’ conhece a história), foi repetida pelos vizinhos do norte 120 anos depois. Em 1424, durante o reinado de Jaime I, o Parlamento da Escócia aprovou o Football Act. A lei proibia os locais de praticarem os jogos locais, sob risco de multa. O veto foi endossado outras três vezes no século 15, para que os escoceses não deixassem de lado os treinos com arco e enfraquecessem o poderio militar do país.
Resultado de imagem para TRIVELA LOGO UOL

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.