Os escoceses e o "futebol arte"



A Escócia abriu sua seleção aos negros bem antes – Foram os escoceses que quebraram a barreira para os negros no futebol internacional.

Ausente das últimas quatro Copas do Mundo, a Escócia ocupa um lugar de pouco destaque no futebol internacional atualmente. A seleção não tem um craque sequer e os grandes clubes locais estão cada vez mais escondidos – o Rangers lutando para voltar à elite, enquanto o Celtic amargou a “dupla eliminação” na Liga dos Campeões. Uma situação que não tem muitas perspectivas de melhora para a região de 5,3 milhões de habitantes. 

O que não deixa de ser um contrassenso. Afinal, se o futebol evoluiu tanto nos últimos 150 anos, deve muito aos escoceses que, revertendo as dificuldades, se tornaram os verdadeiros professores do esporte na virada do século 19 para o 20. A inferioridade física em relação aos ingleses fez os escoceses desenvolverem um estilo de jogo de toque de bola e dribles. 


Os pioneiros do “futebol bonito”, que acabaram revolucionando o esporte na própria Inglaterra, além de deixarem um legado de espetáculo para diversos países, entre eles Brasil, Argentina e Uruguai. Nas próximas linhas, a história de como a Escócia fez com que o “jogo violento” passasse a ser exaltado pela beleza de seus movimentos. O futebol como é conhecido hoje foi regulamentado há 150 anos, em uma taberna de Londres. 

No entanto, chutar uma bola (ou algo parecido, que seja) é esporte bem mais antigo. Os ancestrais ludopédicos vêm de séculos antes e diversas partes do mundo. China Imperial, América Pré-Colombiana, Grécia e Roma estão entre as origens de jogos com fundamentos similares ao do futebol. Mesmo na Inglaterra, a história do esporte pode ser contada de muito antes.

 E, não tão longe daqueles feudos, a Escócia também tinha o seu próprio jeito de jogar. Há 700 anos, o Rei Eduardo II proibiu e criminalizou a prática do jogo de “bolas enormes, das quais muitos males podem surgir e dos quais Deus nos livre”. Era um dos ancestrais do futebol. 



E a decisão do rei inglês, derrotado na Primeira Guerra de Independência da Escócia (quem viu o clássico ‘Coração Valente’ conhece a história), foi repetida pelos vizinhos do norte 120 anos depois. Em 1424, durante o reinado de Jaime I, o Parlamento da Escócia aprovou o Football Act. A lei proibia os locais de praticarem os jogos locais, sob risco de multa. O veto foi endossado outras três vezes no século 15, para que os escoceses não deixassem de lado os treinos com arco e enfraquecessem o poderio militar do país.
Resultado de imagem para TRIVELA LOGO UOL

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"