Pular para o conteúdo principal

Copa SP : Reação do Flamengo começou no vestiário, afirmam técnico e goleiro

Flamengo e Corinthians protagonizaram uma eletrizante final da Copa São Paulo de Futebol Júnior que foi decidida em prol dos cariocas após a cobrança de pênaltis, já que no tempo normal o resultado foi um empate por 2 a 2.
O triunfo do Rubro-Negro foi muito suado. No primeiro tempo, a equipe do Rio de Janeiro criou pouco e foi para o intervalo perdendo por dois gols. Contudo, a reação foi muito rápida depois do intervalo. Trindade descontou de cabeça aos três e, cinco minutos mais tarde, Matheus Sávio deixou tudo igual no estádio do Pacaembu.


Essa virada passou pelo técnico Zé Ricardo. “Vou falar a verdade. O vestiário foi um pouco tenso. Alguns jogadores estavam desanimados, de cabeça baixa. A comissão técnica foi fundamental e incentivou todos os atletas, que vieram com força total para a segunda etapa. Ele (o treinador) disse que fizemos uma ótima campanha até aqui e não podíamos parar por aqui. Sabíamos da força do nosso elenco”, contou o goleiro Thiago, grande herói da conquista após defender duas das cobranças de pênalti.
Já o comandante reforça que seu principal trunfo foi acalmar o seu plantel. “Passei tranquilidade para eles. Avaliei que apesar do placar adverso, nosso primeiro tempo não foi ruim. Criamos oportunidades, mas em momentos cruciais sofremos os gols. É um grupo fantástico, que entende muito bem o que passamos. Então, foi merecido”, afirmou.
Zé Ricardo lembrou ainda de todo o trabalho feito nas categorias de base do clube. “É uma alegria muito grande vencer, um sonho realizado. Desde criança eu assistia as edições da Copa São Paulo e torcia muito. Estar aqui hoje representando todos os profissionais das categorias de base do Flamengo é uma alegria imensa. O trabalho não é só meu e sim de uma comissão maravilhosa. Precisamos comemorar, pois é uma conquista maiúscula”, emendou.

FuturoAs jovens promessas do Flamengo celebraram o título gritando ‘É Zé Mourinho’ para Zé Ricardo. Comparado ao grande técnico português por seus atletas, o treinador – que desconhecia o apelido até então – também vê um potencial enorme para os jogadores.
“Reza a lenda que as grandes glórias do Flamengo foram com conquistadas com muitos garotos da base. Espero que a gente esteja formando uma geração de vencedores, começando por esse título tão importante”, encerrou.
Resultado de imagem para FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.