Pular para o conteúdo principal

stock car : Em Velopark, Antonio Pizzonia e Betinho Gresse homenageiam Ayrton Senna


                Em Velopark, Antonio Pizzonia e Betinho Gresse
                    prestam homenagem ao ídolo Ayrton Senna
Dia 1 de maio de 1994. Um dos dias mais tristes do automobilismo mundial e um marco negativo na história do esporte brasileiro. Nessa data o Brasil se despedia de Ayrton Senna, após um forte acidente no GP de Ímola, na Itália. 

Dezesseis anos depois, Antonio Pizzonia e Betinho Gresse fazem questão de relembrar essa perda: um adesivo escrito 'Senna Saudades' estará estampado nos carros da Hot Car Competições no circuito de Nova Santa Rita, terceira etapa da temporada 2010 da Stock Car. 

- Na verdade, lembrar desta data é uma mistura de emoções. Enquanto você tem aquela boa imagem do ídolo, vem também o lado ruim daquela dia que ninguém esquece - relembra Pizzonia.

Betinho Gresse também lembra muito bem daquele fatídico acidente na curva de Tamburello. O que era para ser um simples e alegre almoço de família se transformou em uma lembrança negativa no passado do dono do carro de número 44 da Stock Car.

- Eu não tenho a memória muito boa, mas me lembro de tudo desse dia. Eu estava em casa no dia do acidente, vendo a prova. A família toda reunida e lembro que a notícia acabou com o nosso almoço. Até hoje é difícil acreditar no que aconteceu - afirma.

Fãs de Senna

A história de Antonio Pizzona se cruza com a do ídolo Ayrton Senna em algumas oportunidades. O amazonense admite que não acompanhava a Fórmula 1 antes de se aventurar no kart, mas depois disso se tornou mais um na legião de fãs de Ayrton. Além disso, Pizzonia teve um contato superficial com seu 'mestre'.

- No GP do Brasil de 1991, eu tinha 10 anos, e fui assistir à prova. Entrei no box dele e pedi um autógrafo - disse.

A história de Senna também foi de grande interesse de Norberto Gresse. O piloto admite que não conhecia muito sobre a história do ídolo, mas se empenhava em ficar sabendo mais notícias sobre Ayrton.

- O que eu pude buscar a respeito dele, eu corri atrás. O Senna foi um professor e um ídolo - declarou.

Os dois pilotos concordam em um ponto: esses 16 anos passaram muito rápido e a imagem de Senna ainda está muito clara em suas cabeças e nas dos torcedores brasileiros. Mesmo assim, Norberto entende que ainda existam pessoas hoje que não se interessem tanto pela história de Senna.

- Com o passar dos anos, a geração mais nova tem novos ídolos, como o Felipe Massa e o Michael Schumacher, e eles acabam preenchendo essa lacuna do Senna - comentou.

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.