Pular para o conteúdo principal

Neneca relembra conquista do primeiro título nacional da história do Botafogo


Neneca foi um dos destaques do Botafogo na conquista do Campeonato Brasileiro da Série D

Foto: Rogério Moroti/Agência Botafogo

Na temporada 2015, o Botafogo conquistou o Campeonato Brasileiro da Série D, o primeiro título nacional de sua história. Após viver alguns momentos de altos e baixos, o clube de Ribeirão Preto se reestruturou e passou a figurar na divisão de elite do Campeonato Paulista e com isso passou a ter presença frequente nos torneios nacionais. Em 2015 veio a concretização do trabalho e sob o comando de Marcelo Veiga, o Botafogo foi campeão e volta para a Série C do Campeonato Brasileiro, após 12 anos.

O Botafogo havia sido vice-campeão de torneios nacionais em outras duas oportunidades. Em 1996, a equipe de Ribeirão Preto foi derrotada pelo Vila Nova (GO) e ficou com o vice-campeonato do Campeonato Brasileiro da Série C. Já em 1998, o tricolor do interior chegou na fase final da Série B, mas no quadrangular final terminou com um ponto atrás do campeão, o Gama (DF).

No Campeonato Brasileiro da Série D, o Botafogo começou oscilante e terminou a primeira fase do torneio como uma das piores campanhas entre os 16  classificados. O clube de Ribeirão Preto terminou na segunda colocação do Grupo A6, com 13 pontos. O líder do grupo foi o Crac (GO). O time goiano seria o adversário do Botafogo nas oitavas de finais.
Foto: Fernando Caliman/FPF
Sempre decidindo fora de casa, o Botafogo fez valer o mando de campo e sempre contando com grande apoio do torcedor, foi eliminando seus rivais - Crac (GO), São Caetano, Remo (PA) - até chegar à grande final do Campeonato Brasileiro da Série D, diante do Ríver do Piauí.

Na decisão diante dos piauienses, o Botafogo venceu a primeira partida em Ribeirão Preto, pelo placar de 3 a 2, com três gols de Francis, artilheiro do clube no torneio e bastava um empate para sagrar-se campeão. No jogo da volta, o goleiro Neneca foi o herói e evitou que suas redes fossem balançadas e todo elenco colocou seu nome de vez na história do Botafogo. O clube volta a disputar a Série C do Campeonato Brasileiro após 12 anos.

O goleiro Neneca e vice-presidente de futebol do Botafogo falaram sobre a conquista.

Confira!
NenecaUm dos destaques do Botafogo, o goleiro Neneca falou da lembrança do título. “O que vem na minha lembrança é desde o dia que me apresentei. Existia uma pressão, uma necessidade de conquista, de um acesso e nós soubemos lidar com essa pressão”, comentou.

Sendo um dos destaques com grandes defesas, Neneca falou do reconhecimento da torcida. “É muito gratificante poder ajudar o clube a conquistar os seus objetivos, mas o melhor de tudo é ver a torcida feliz e ter um carinho por mim. Dinheiro nenhum no mundo paga isso”, comemorou.
Foto: Fernando Caliman/FPF
Neneca elogiou toda estrutura do Botafogo e afirmou que a união do grupo foi o fator primordial para o clube conquistar o título. “Resumo na união. Na união do grupo, da diretoria e da torcida. Dentro do elenco, todos assimilaram bem respeitar o companheiro, estando jogando ou não era em busca de um único objetivo. A união foi fundamental na nossa conquista”, concluiu.

Fernando Henrique GelfusoO vice-presidente de futebol do Botafogo, falou da conquista do clube. “Mais importante do que propriamente o titulo foi o acesso para a Série C. Marcou a volta para o cenário nacional e isso representa muito, não só para Ribeirão Preto, mas para toda nossa região e que estava carente de títulos. Agradecemos o apoio da Federação Paulista de Futebol e juntos, conseguimos uma boa jornada e a conquista do título e mais ainda da almejada vaga na Serie C”, comentou.

Gelfuso também falou da importância da conquista, pois com a vaga na Série C, o calendário fica preenchido durante toda a temporada. “Já temos o melhor estadual do país e agora conquistamos uma vaga na Série C, o que proporciona um calendário completo o ano todo com um importante torneio de nível nacional e isso é muito importante para o clube”, explicou.

Na partida final, o Botafogo escalou cinco atletas da categoria de base entre os titulares e Gelfuso falou da importância de ter um bom trabalho nas categorias inferiores. “Foi muito importante ter cinco atletas entre os titulares, pois mostra que o trabalho está na direção certa. Acaba mostrando o comprometimento com a base, com os atletas e que não ficamos apenas na letra do nosso hino que é ‘Grandioso Botafogo, Celeiro de Campeões’”, afirmou.

Com a conquista, Gelfuso falou da lembrança do título que mais te marcou. “São muitas lembranças, mas em especial derrotar o Ríver foi mais que derrotar um time. Foi representar o Estado de São Paulo no cenário nacional”, concluiu.
Resultado de imagem para federação paulista de futebol

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.