Há 95 anos, Verdão batia Paulistano e faturava seu primeiro Paulista na história

Após bater na trave duas vezes nos vice-campeonatos paulistas de 1917 e 1919, o Palestra Italia pôde soltar o grito de campeão da competição pela primeira vez em 19 de dezembro de 1920, há exatos 95 anos. Diante do poderosíssimo Clube Athletico Paulistano de Arthur Friedenreich, que dominava o futebol de São Paulo naquela época – vinha de três conquistas estaduais consecutivas –, o time alviverde precisou até de jogo extra para levantar sua primeira taça estadual.
O torneio contou com nove equipes – além do Palestra Italia, Corinthians, Minas Gerais, Mackenzie, São Bento, A. A. das Palmeiras, Ypiranga, Internacional-SP e Paulistano participaram da competição – que se enfrentaram no sistema de pontos corridos, em turno e returno. Apesar de não pertencer à capital, o Santos também esteve no campeonato nas partidas iniciais, mas abandonou o torneio e teve todas suas partidas canceladas.

Logo na estreia, um belíssimo 3 a 0 no maior rival, o Corinthians, no estádio Ponte Grande. Em seguida, sete vitórias consecutivas, incluindo grandes goleadas como os 7 a 0 diante do Mackenzie e um massacrante 11 a 0 no Internacional da capital (maior goleada da história palmeirense até hoje), resultados que garantiram a liderança até a rodada decisiva.
Uma curiosidade marcou este torneio. Pelo returno, o Verdão enfrentou o Corinthians no Palestra Italia e saiu derrotado por 2 a 1. Por conta de um atrito entre o corintiano Neco e o goleiro palmeirense Primo, o tempo fechou no gramado, e o juiz não puniu nenhum atleta – nem o atleta alvinegro, que começou toda a confusão. Revoltado com a arbitragem, o Verdão rompeu com a APEA e se recusou a prosseguir na disputa do campeonato. Dias depois, após reunião entre dirigentes, conselheiros e sócios, o Alviverde decidiu retornar, e a APEA determinou que a escolha dos árbitros seria de responsabilidade única e exclusiva dos clubes.
No último jogo, diante do Paulistano, bastava um empate em casa para o time do artilheiro Heitor – maior goleador palmeirense de todos os tempos com 327 bolas na rede em 358 jogos – garantir o troféu, porém Friedenreich, maior craque em atividade no Brasil na época, adiou o sonho palestrino e marcou o gol da vitória para o visitante, que, com o triunfo, igualou o número de pontos do Verdão e forçou um duelo extra de desempate em campo neutro.
O palco escolhido para o confronto foi o estádio Chácara da Floresta. Até então, o Alviverde não havia vencido o Paulistano no torneio – em dois embates, um empate e uma vitória alvirrubra –, e o equilíbrio foi evidente no primeiro tempo sem gols da decisão. Logo no início da etapa final, o Palestra não tomou conhecimento do heptacampeão paulista e, com Martinelli, saiu na frente do rival. A alegria alviverde durou pouco, pois Mário Andrade tratou de empatar o certame poucos minutos depois.
No entanto, havia uma luz no fim do túnel para o time verde e branco. Escalado para ser titular justamente em um dos jogos mais importantes da trajetória palestrina, Mateus Forte, ou Forte II, viu sua estrela brilhar: aos 29 minutos do segundo tempo, marcou o tento que derrubou a hegemonia do Paulistano e rendeu ao Verdão o primeiro Campeonato Paulista da história do clube. Desde então são 22 conquistas estaduais, além dos dois torneios extras vencidos em 1926 e 1938.
Jogo decisivo: Palestra Italia 2x1 Paulistano

Competição: Campeonato Paulista de 1920 (Jogo desempate)
Data: 19/12/1920
Estádio: Chácara da Floresta, em São Paulo-SP
Árbitro: Herman Friese (SP)

Palestra Italia: Primo; Bianco e Oscar; Bertolini, Picagli e Severino; Ministro, Mateus Forte, Heitor, Federici e Martinelli.
Paulistano: Arnaldo; Guarany e Carlito; Sérgio, Zito e Mariano; Agnello, Mário Andrade, Friedenreich, Cassiano e Carneiro Leão.
Gols: Martinelli (5’ do 2ºT-PAL), Mário Andrade (14’ do 2ºT-PAU) e Mateus Forte (29’ do 2ºT-PAL).
Angelo Salvioni
Departamento de Comunicação
19/12/2015 - 10:00h

Palmeiras

Postagens mais visitadas deste blog

Com equipe completa, nado sincronizado iniciou treinamentos muito antes da Rio 2016

Seleção masculina de hóquei sobre grama sofre segunda derrota

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"