Pular para o conteúdo principal

F1 : José Carlos Pace – os mais de 70 anos do “campeão mundial sem título”

Se estivesse vivo, José Carlos Pace completaria 70 anos hoje, dia 6 de outubro de 2014. Para as gerações mais novas, que aprenderam a gostar de Fórmula 1 com Piquet e Senna, o tal “Moco”, como era chamado, é apenas um dos pilotos   bons de braço do qual nossos pais falam quando lembram dos “bons tempos” da F1.
Pace conquistou somente uma pole position e teve apenas uma vitória na categoria. Mas praticamente todos que o viram correr dizem que ele tinha chances de ganhar o título mundial de F1 caso não tivesse embarcado em um avião na noite de 18 de março de 1977.
José Carlos Pace começou a correr de kart nos anos 1960, junto com seus amigos da vizinhança — Emerson e Wilson Fittipaldi e Jan Balder —, mas sua carreira nas pistas começou mesmo quando ele foi chamado por Anísio Campos e seus sócios para disputar o II Prêmio Aniversário do Automóvel Clube do Estado de São Paulo com um DKW preparado por eles.  Na corrida, Pace c
Se estivesse vivo, José Carlos Pace já teria mais de 70 anos hoje. Para as gerações mais novas, que aprenderam a gostar de Fórmula 1 com Piquet e Senna, o tal “Moco”, como era chamado, é apenas um dos pilotos bons de braço do qual nossos pais falam quando lembram dos “bons tempos” da F1. 
Pace conquistou somente uma pole position e teve apenas uma vitória na categoria. Mas praticamente todos que o viram correr dizem que ele tinha chances de ganhar o título mundial de F1 caso não tivesse embarcado em um avião na noite de 18 de março de 1977. 
 José Carlos Pace começou a correr de kart nos anos 1960, junto com seus amigos da vizinhança — Emerson e Wilson Fittipaldi e Jan Balder —, mas sua carreira nas pistas começou mesmo quando ele foi chamado por Anísio Campos e seus sócios para disputar o II Prêmio Aniversário do Automóvel Clube do Estado de São Paulo com um DKW preparado por eles. Na corrida, Pace conseguiu tempos excelentes que chamaram a atenção de Luís Greco, da equipe Willys, que o convidou para integrar o time ao lado de Bird Clemente, Wilsinho Fittipaldi e Luís Pereira Bueno.

                                         POR ENCICLOPEDIA AUTO MOTOR

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.