ZH

 

Zero Hora

Últimas notícias

Carregando...

/

ESPORTE PARA TODOS!

 

OUÇA - A VIDA DE WILSON SILVA

domingo, 20 de dezembro de 2015

Bandagem elástica funcional: funciona mesmo?



Quem acompanha esporte, seja ao vivo ou pela televisão, já deve ter visto alguns atletas utilizando uma espécie de faixa colorida em algum lugar do corpo e deve ter se perguntado do que se tratava: “algum tipo de tatuagem colorida descartável?”, “pintura de guerra para assustar os adversários?”. Nada disso! 



Trata-se de uma bandagem elástica funcional, conhecida também como banda neuromuscular ou bandagem elástica. Ela é feita a partir de algodão, possui uma cola especial para grudar na pele e poros para facilitar a respiração cutânea, além de poder ser esticada até 140%.

Criada nos anos 70 na Ásia, este tipo de bandagem tem como funções:

- Estabilização;
- Contenção;
- Imobilização;
- Proteção;
- Prevenção;
- Estimulação.

Segundo o Dr. Kenzo Kase, criador da bandagem elástica conhecida comoKinesio Tape (marca mais famosa dessas bandagens), “os músculos não realizam apenas movimento, mas também influenciam os sistemas circulatório, linfático e térmico”.

A tensão criada a partir da elasticidade da bandagem, segundo o criador da técnica, é capaz de, por exemplo, aumentar o espaço subcutâneo. Isto estaria relacionado com a melhora da circulação local.

Ao aplicar-se a bandagem sobre um músculo, ele pode ser estimulado indiretamente a relaxar-se ou ativar-se, de acordo com a forma de aplicação. Se aplicado no sentido da origem para a inserção do músculo o efeito será de tonificação ou ativação. Aplicando-se no sentido contrário, o efeito é relaxante.



Outros efeitos que podem ser atingidos por meio da aplicação, além da regulação tônica, são a analgesia, estimulação da propriocepção e da consciência corporal e eliminação de bloqueios circulatórios e linfáticos, como edemas e hematomas.

As contra-indicações para a aplicação da bandagem elástica são:

-Trombose;
-Ferimentos;
-Edema Geral;
-Carcinomas;
-Gravidez;
-Peles especiais.

Apesar de essas bandagens estarem sendo muito utilizadas, tanto no meio esportivo quanto fora dele, pouco se estudou de fato a respeito de seus verdadeiros efeitos. Enquanto quem as aplica defende com unhas e dentes sua utilização, muitos acham que ela não passa de um placebo, ou seja, que tem efeito psicológico sobre quem as utiliza. Muitos dizem também que se trata apenas de uma jogada de marketing e que daria no mesmo usar, ao invés da bandagem de marca X ou Y um simples pedaço de esparadrapo para obter os mesmos efeitos.


Enquanto não houver estudos sérios a respeito das bandas neuromusculares, sem fins marqueteiros, não saberemos ao certo como ou se realmente funcionam. Enquanto isso não acontece, muitas pessoas continuarão usando-as de maneira empírica, ou seja, sem evidência científica de que funcionam, acreditando apenas nos resultados obtidos por meio da utilização e nas próprias experiências práticas. 

Qual a sua opinião? Será que isso é correto?
 
FISIOTERAPEUTA FERNANDO PRIPAS