Pular para o conteúdo principal

VIDEO : Rubens Minelli e a evolução tática do futebol


VIDEO:




Rubens Francisco Minelli (São Paulo19 de dezembro de 1928) é um ex-treinador e ex-jogador de futebol brasileiro.

Jogador
Rubens Minelli iniciou sua vida no futebol como atleta, atuando na ponta-esquerda no Ypiranga e do Nacional, de São Paulo. Quando defendia o São Bento de Sorocaba, em um amistoso com o União de Mogi das Cruzes, em 1956, fraturou a perna esquerda e teve de abandonar a carreira de jogador, aos 27 anos. Seu único título como futebolista foi obtido em 1954: o Campeonato Paulista da Segunda Divisão, pelo Taubaté.

 Treinador

Como treinador, iniciou comandando os times da Faculdade de Ciências da USP e da seleção da FUPE (Federação Universitária Paulista de Esportes). Por intermédio de Canhotinho, o qual fora dirigido por Minelli no time da faculdade, treinou as categorias de base do Palmeiras entre 1958 e 1963. Em seguida, transferiu-se para a equipe principal do América de São José do Rio Preto. Sua estréia profissional foi com vitória de 1 a 0 sobre o XV de Jaú, em partida amistosa realizada no dia 31 de março de 1963, no Estádio Mário Alves Mendonça . Pelo clube, conquistou a segunda divisão estadual de 1963 e sagrou-se campeão do interior em 1964. Em 1966, foi contratado pelo Botafogo de Ribeirão Preto, onde ficou por quatro meses. Com o Botafogo, Minelli realizou uma excursão à América Central, sofrendo apenas uma derrota em 17 jogos. No final do mesmo ano, retornou ao América para substituir o argentino Filpo Nuñez. Defendendo o Sport Club do Recife, foi vice-campeão pernambucano de 1967 e campeão do Torneio Início. Voltando para São Paulo, comandou a Francana, vice-campeã estadual da segunda divisão em 1968. Após passar pelo Guarani, Rubens Minelli retornou ao Palmeiras, desta vez para comandar a equipe principal. Coincidentemente, substituiu novamente Filpo Nuñez. Com o clube alviverde, Minelli excursionou à Europa em 1969, levantando o Troféu Ramón de Carranza, na Espanha. Também conquistou o Robertão, no mesmo ano. Dirigiu diversas equipes do Brasil, além do Al-Hilal da Arábia Saudita, e posteriormente a seleção daquele país. Atingiu o auge de sua carreira nos anos 1970, quando estruturou o histórico time do Internacional, que contava com craques como Falcão, Figueroa e Carpegiani. Neste período, Minelli foi tricampeão brasileiro – 75 e 76 pelo Inter[2] e 77 pelo São Paulo. Conquistou ainda quatro títulos gaúchos, em (1974, 1975 e 1976 pelo Inter, além de 1985 pelo rival Grêmio), dois campeonatos paranaenses (1994 e 1997 pelo Paraná), um título saudita e um da Copa do Golfo (1980 pelo Al Hilal). Minelli treinou ainda o Corinthians, Santos, Portuguesa, América-SP, Guarani, Ponte Preta, Rio Branco de Americana, Ferroviária de Araraquara, Atlético-MG e Coritiba.

 Aposentadoria

Ao encerrar a carreira de treinador, Rubens Minelli tornou-se dirigente de clubes como São Paulo, Atlético Paranaense (superintendente de futebol, em 1998), Paraná e Avaí (superintendente de futebol, em 2003). Posteriormente, em 2008, tornou-se comentarista de rádio, trabalhando na Rádio Jovem Pan.
Resultado de imagem para wikipedia logo

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Brasileirão Série A - Confira os jogos em andamento

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.