Pular para o conteúdo principal

Seleção Olímpica vence EUA por 2 a 1 em amistoso



A Seleção Brasileira Olímpica mostrou autoridade e venceu o primeiro amistoso contra os Estados Unidos por 2 a 1 nesta quarta-feira (11), na Ilha do Retiro, no Recife. Com grande atuação nos 90 minutos, o Brasil mostrou qualidade ofensiva e defensiva, já que jogou com um a menos durante meia hora. Gabriel e Luan foram os autores dos gols que deram a vitória ao time.
O Brasil demorou alguns minutos para impor seu ritmo no jogo, mas depois que o fez foi muito superior aos EUA. Com movimentação intensa e alto nível técnico, a Seleção atacava de formas variadas. Lucas Silva e Fred quase marcaram em chutes de fora da área. Nas cobranças de escanteio, Dória ganhou quase todas de cabeça. Gabriel Jesus teve sua chance em jogada individual, mas o chute explodiu no zagueiro.
As trocas de passes também eram envolventes, e a bola cruzou a área americana perigosamente algumas vezes. Depois de tanta insistência, saiu o gol. Lucas Silva deu excelente lançamento para Gabriel, que driblou o goleiro Horton e tocou para o fundo das redes aos 42 minutos do primeiro tempo.
Na segunda etapa, o gol brasileiro saiu muito mais rápido. Logo no primeiro minuto, Lucas Silva tocou para Luan, que colocou a bola no ângulo com extrema categoria. É verdade que desviou no zagueiro, mas o gol não deixou de ser bonito.
Aos 13 minutos, a vida do Brasil ficou mais complicada. Dória dominou a bola errado dentro da área e derrubou Kiesewetter na sequência do lance. O zagueiro, que já tinha cartão amarelo, acabou expulso. Na cobrança Kiesewetter diminuiu para os EUA.
Os trinta minutos finais do jogo foram um grande teste para o Brasil, que soube segurar o resultado mesmo com um jogador a menos. O time, inclusive, continuou criando chances e só não chegou ao terceiro gol porque a bomba de Fred parou no travessão.
No domingo (15), às 17h (de Brasília), a Seleção Olímpica encara os Estados Unidos novamente em amistoso que será disputado no Mangueirão, em Belém.
Brasil
Ederson; Fabinho, Rodrigo Ely, Dória e Wendell; Lucas Silva (Rodrigo Caio), Fred e Felipe Anderson (Valdívia); Gabriel (Gustavo Scarpa), Luan (Kennedy) e Gabriel Jesus (Marlon).

CONTEÚDO CBF

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.